Saia Plissada Metalizada, mais um item pra eu ficar desejando

abmetalskirt

Gente, não tem como, é mais forte que eu, sou alucinada por brilho: lamê, paetê, lurex…tudo que brilha entra direto pra minha lista de desejo. E nem precisa dizer qual foi minha reação ao perceber no street style que uma certa saia plissada metalizada anda fazendo o maior sucesso, né? Enlouqueci, comecei a explorar meu guarda-roupas, achei um vestido meu plissado metalizado que usei pouco, e já pedi pra titia transformar numa saia pra eu montar um look “básico” pra trabalhar. Porque né, pagar duzentos reais na Zara numa peça dessas é um pouco demais pra mim.

Pra quem acha difícil combinar uma saia nesse estilo, eu digo pra vocês: não é. As inspirações na internet estão aí pra isso, e Alexa Chung dá uma boa dica de como transformar a peça num item do dia-a-dia: é só complementar o look com itens básicos, ou esportivos.

No caso das fotos que achei ela usou com moletom, ou casaco de tricô:

alexametalskirt

Viram com não fica tão chamativo? Mas, pera, tem mais looks-inspiração por aí, preciso convencer vocês de que essa peça é o máximo, e duas fotos não são suficientes pra notar a versatilidade dessa saia Bapho!!!

selecsaiametalizadaplissada

Imagem: reprodução

Já quero usar com tênis e camiseta básica, e não tô satisfeita só com a prateada não, tô cobiçando a dourada também!!!

Mas, me digam, que cês acharam, topariam andar com uma beesha dessas por aí assim, de boinha, ou acham exagerado? Me contem nos comentários!

Beijos e até à próxima!

Alerta anos 90: o slip dress voltou!

Ab_slipdress

 

2016, pra moda, tá parecendo 1995: a quantidade de peças trazidas direto do armário das meninas da década de 90 dá pra criar uma série de posts por aqui, tranqüilamente.

Em 1990 eu tinha 9 anos, e ganhei uma assinatura da Capricho que durou mais de 5 anos, portanto, acompanhei de perto o estilo que reinou naquela década, seja através dos editoriais da Capricho, seja acompanhando, também através da revista, os looks das estrelas Pop/Rock e top models da época. Muitas peças legais daquele tempo tão voltando, mas por hoje, vamos falar de uma em especial, versátil por sua própria natureza: o slip dress, ou vestido camisola.

Quando se fala em slip dress, não tem como não vinculá-lo à Kate Moss, e à Courtney Love, rainhas dos anos 90 que usavam a peça de maneira exaustiva. Se Kate recebesse um dólar pra cada aparição que fazia usando slip dress ela tava milionária somente por isso!

Matriz_slipdress

Se nos anos 90 era Kate que comandava o exército de Slip Dress, atualmente o ícone de estilo no quesito se chama Rumi Neely, blogueira do Fashion Toast. A beesha veste cada um mais lindo que o outro, fico feito doida salvando na minha pastinha de inspirações pra escolher o modelo mais legal e fazer um pra mim!

defsliprumi

Muito embora o vestido-camisola não seja unanimidade (algumas dirão: que loucura, mulher, a pessoa sair de camisola na rua, onde já se viu??!), minha opinião é de que o slip dress é sim uma das peças mais legais do momento para compor looks: a gente vai do look sexy ao grunge dentro de instantes, somente trocando acessórios. Ele vai da festa chique a um jantar mais informal com amigos. E eu provo o que digo, só ver a seleção abaixo dos looks com slip dress, garanto que muitas de vocês, leitoras, vão desejar um vestidinho camisola pra chamar de seu.

howtoslip

Ah, ia me esquecendo: se quiserem deixar o look bem anos 90 mesmo, é só combinar com camisetinha por baixo, vi várias meninas usando e achei massa, um hi-lo direto do túnel do tempo que funciona demais!!

E aí, que cês acham do slip dress, curtem ou não? Vamos abrir debate nos comentários, que eu adoro!

Surra de looks pra trabalhar, featuring Folake Huntoon

ABfolake

Se tem uma coisa que amo é ver blog de estilo. Sim, de estilo, não de moda. Não tem blogueira mais legal que blogueira autêntica, daquelas que, dando uma passada em 5 looks você consegue visualizar um estilo bem definido. Odeio montações exageradas, excesso de maquiagem, cabelo demasiadamente impecável…gosto de blogueira da vida real, que os looks não parecem editorial de moda, e sim uma marca registrada daquela que os veste.

E eu sigo muita gente maravilhosa nessa linha que falei acima, uma delas é Folake Huntoon, uma novaiorquina do Bronx que é ícone de estilo pra mim:  meus looks pra trabalhar não são mais os mesmos depois passei a segui-la no Instagram.

A meu ver, Folake quebra vários paradigmas dentro da moda: usa cores vibrantes em looks super apropriados pra trabalhar (muita gente defende que looks vibrantes não são elegantes, bullshit); repete roupa (mas recria possibilidades maravilhosas a partir da mesma peça); faz hi-los incríveis, juntando camisa social com saia de paetê. Coisas de quem entende do riscado de verdade.

Poderia fazer uma tese sobre o que acho do ritual de vestir, de compor looks, de misturar referências, mas um resumo é bem apropriado pra quem tá por aqui pelo blog: o ato de vestir é uma expressão de sabedoria, de autoconhecimento, e principalmente de externalizar o que somos e pensamos ao mundo. Um look cheio de estilo é muito além de tecido em cima de tecido, vestindo um corpo; é IDENTIDADE. E o que Folake mostra em seu blog é de uma riqueza cultural, de uma genialidade, que só mostrando os looks dela aqui pra vocês entenderem do que falo. Não são looks com peças diferentes, ou grifadas, que não podemos pagar. Folake faz a magia acontecer a partir do seu guarda-roupas, e dentro de suas possibilidades.

spantry3

spantry5

spantry2

spantry4

spantry1Imagem: reprodução

Se vocês me perguntarem qual das composições acima eu mais amei, sou sincera, não sei dizer de jeito nenhum, achei os looks todos perfeitos. E vocês, curtiram algum em particular?

Cropped Ripped Jeans: Quero!

Ab_croppedjeans

Não se viu nada mais recorrente nos arredores das semanas de moda do hemisfério norte que o jeans cropped: tinha pantalona jeans “pega bode”(traduzindo pra o popular o termo cropped), calça baggy “pega bode”, skinny “pega bode”…a calça encurtou, fato. Mas, se ela não veio curta de fábrica, com barrinha feita, também não teve problema pras fashionistas: as beeshas pegaram qualquer jeans que tinha no armário e passaram uma tesourada seguida de uma desfiada nele, e voilá! Tem-se uma peça estilosa sem gastar nenhum real pra isso, só tempo mesmo.

Eu, muito fã de reformar minhas roupas, já até selecionei acolá um jeans pra dar essa trabalhada na barra, não posso ver um rastro de peça customizada nos desfiles que já fico me coçando pra começar minha produção. O legal mesmo é que a calça seja aquela mais larguinha na perna, estilo pantalona mesmo(calça boca de sino também), ou a de modelagem reta, estilo anos 90, foi o que mais vi no street style. Escolhida a calça, o corte pode ser feito mais ou menos uns dois ou três dedos acima do tornozelo; para as ousadas, dá pra deixar mais curta a barra na parte da frente da calça e mais comprida atrás, vi alguns modelos assim e achei massa! Compilei umas ideias aqui pra vocês:

croppedjeansripped

Imagens: reprodução

Ah, e sabem o que achei mais legal de esse tipo de calça ter caído no gosto da galera? É que a tendência vem com um pouco de consciência de consumo. Ora, dá pra trabalhar com o que a gente tem em casa, sem precisar ir a uma loja e adquirir mais uma calça jeans, que, como já falei por aqui, degrada o meio ambiente de forma impactante. Portanto, nada de comprar jeans novo, tenho certeza que, se você não tiver uma calça com modelagem legal em casa, em brechós, e bazares de bairro dá pra encontrar um jeans massa pra reciclar e sair lacrando por aí!

Testei: Anthelios Airlicium fps 70, da La Roche-Posay

ABanthelios

Natal é uma cidade quente. Muito quente. Viver por aqui sem passar um BB cream, ou um protetor solar com fator alto pode nos criar um probleminha chamado câncer de pele. A questão é que sou chata, poucos são os produtos com proteção solar que me agradam, não curto aquela textura melequenta que os bloqueadores/protetores deixam na pele, e também não sou fã daquele cheiro forte de protetor o dia todo; abusa, de verdade. E aí que, não achando nada legal nos últimos anos, acabei trocando o tradicional protetor por BB cream, inclusive pela praticidade de reunir muitos benefícios em um só produto.

Porém, eis que apareceu no Brasil o bloqueador em gel-creme da La Roche-Posay, o Anthelios Airlicium fps 70, e fiquei doida pra testar, porque já tinha recebido uma amostrinha do produto com fps 30, e me interessei em usar de forma mais continuada para dar uma opinião sincera pra vocês.

Então, sentem que lá vem resenha!

O QUE PROMETE: segundo o fabricante, o Anthelios Airlicium fornece proteção solar muito alta (fps 70 PPD 35), controle inteligente da oleosidade e umidade, redução imediata de poros, e sensação de pele limpa por 9 horas.

COMPOSIÇÃO: abaixo fotografei a composição pra vocês , e adianto uma questão importante: La Roche-Posay, antenada com estudos que condenam o uso de 4-mbc (4-metil benzilideno cânfora) nos filtros solares, por desregular a tireóide (aumentando a produção de estrogênio acima do normal, fazendo a gente engordar, fazendo surgir celulites, e nos homens favorecendo o aparecimento de tecidos mamários, e arredondamento das nádegas), e ser uma substância cancerígena, descartou o componente, e usa em sua formulação o Tinosorb (quimicamente, composto de Metileno Bis-Benzoriazolil Tetramethylbutilfenol – Tinosorb M, e Bis-Etilhexiloxifenol Metoxiphenil Triazine – Tinosorb S), componente seguro para uso em filtro solar, extraído de pesquisas do Conselho Internacional de Cosmética. O Tinosorb M, utilizado na formulação do Anthelios Airlicium, é um filtro que cumpre um duplo papel, o de absorver energia, e o de refleti-la. Além desse ponto em favor do gel-creme aqui resenhado, o filtro em sua propaganda esclarece ao consumidor o seu PPD (fator 35, excelente!), que protege a pele contra os raios UVA, que considero até mais nocivos que os UVB.

ANTHcompos

TEXTURA: como mostra a foto abaixo, é um gel-creme, um pouco espesso olhando assim, mas quando aplicado, ele tem uma espalhabilidade boa, e fica sequinho na pele.

ANTHtextur

CUMPRE O QUE PROMETE?

Vamos lá: fazer teste de duração de filtro solar em pessoas de pele mista como eu no nordeste é impossível. Ele não dura 9 horas na minha pele nem a pau, mas sejamos sensatas, aqui nesse calor, e com a pele que eu tenho, não dá pra passar 9 horas sem lavar, passar um tônico, e reaplicar o filtro, vai ficar uma fábrica de óleo de fritar pastel, não é problema pra mim reaplicar sempre que lavar o rosto, não mesmo.

Sobre diminuir os poros não vi essa diferença, tenho uns poros horríveis de abertos, e eles não ficaram menores, mas pra isso existe outro produtinho chamado primer, e um ritual chamado “exfoliação a cada 7 dias” pra dar uma diminuída nos poros.

Quanto à proteção ele funciona SUPER, fiz o teste de ficar no sol com ele um tempinho e minha pele não queimou de jeito nenhum onde eu apliquei. Também fiz teste na praia e não precisei reaplicar nenhuma vez. A única coisa que me incomoda um pouco é que o cheirinho de filtro, apesar de ser BEEEM mais fraco que outros produtos que já teste ainda tá por lá, mas isso não desqualificada o excelente produto que a La Roche colocou no mercado pra gente.

Resumindo: pra mim, ele cumpriu em boa parte o que promete. Pra turma que tem pele normal, e vive em regiões onde o clima é agradável, ele pode ser quase cem por cento satisfatório, inclusive.

RECOMENDARIA? CLARO QUE SIM! Só em me oferecer um fps e PPD alto, e não possuir em sua formulação uma substância comprovadamente nociva à minha saúde, esse filtro solar merece ser recomendado. Vão na fé porque o produto é bom, talvez o melhor do mercado brasileiro.

Pra quem se interessou e gostaria de experimentar o produto, ele pode ser facilmente encontrado em farmácias, e custa aproximadamente 70 reais. Dura horrores, porque uma bolinha do diâmetro de uma pérola média já é suficiente pra cobrir todo o rosto.

Quem já testou, comenta aí o que achou, pra deixar nosso post bem rico e informativo prozamigue e prazamigue, tá?!!

Beijos!

 

Especial 08 de Março: Playlist pra mostrar quem manda no mundo!

Eu poderia fazer textão, como todo ano faço no dia 08 de março que, em resumo, pede mais respeito e igualdade, mas esse ano resolvi fazer diferente: segui a dica do migo Nietszche (“sem música, a vida seria um erro”), e criei uma playlist Girl Power no Spotify pra gente ouvir o dia todo até arranhar o CD!

Então, presente procês, botem pra torar na academia, no trabalho, em casa, que a gente pode tudo, hoje e sempre!!

Tags:

0

Páginas12345... 192»