Uma luz no fim do túnel: Campanha da Quem Disse, Berenice? e Empoderamento Feminino

Eu já tava com esse post há um tempo pra escrever, mas meus compromissos da vida, e o fato de não conseguir fazer um planner mais efetivo pras postagens do blog só me deixaram lembrar agora, depois que li, há dois dias, a Revista da Gol no avião, mais precisamente uma reportagem sobre a Quem Disse, Berenice?.

No meio desse turbilhão de agências de publicidade, e marcas que aprovam propagandas machistas, que coisificam a mulher, incitam a violência contra o sexo feminino (cultura do estupro included), dentre outras coisas horrendas, eis que uma campanha traz um fio de esperança para nós: a campanha “#épramim”, da Quem Disse, Berenice?

A marca, com o #épramim, acredita que toda mulher deve ser livre pra fazer suas escolhas, e decidir o que é ou não pra ela:  ser analista de sistemas especializada em jogos de videogame, piloto de stock car, escrever quadrinhos, usar uma roupa curta, ou batom vermelho. Confesso que a cada depoimento que via no Face (são vários), sentia uma vontade enorme de ir até à loja e adquirir um produto da marca, porque nunca me senti tão representada.  “A marca sempre falou de liberdade e ao mesmo tempo teve contato com muitas histórias de mulheres que deixavam de fazer coisas por acreditarem que algo ‘não era pra elas’. A campanha vem para encorajá-las a perceberem que tudo o que quiserem será para elas”, explica Gustavo Fruges, gerente de comunicação e branding da Quem Disse, Berenice?.

O filme  abaixo ilustra bem a essência da Campanha:

 


 

Tá mais que na hora de a gente se aproximar de marcas que incentivem o empoderamento feminino; já que vivemos num mundo capitalista,  onde as mulheres tanto são grandes consumidoras, como influenciam as compras da família, dar dinheiro/corda a marcas que não nos representam é uma grande furada. É claro que existem marcas que falseiam esse empoderamento para vender mais, porém, por tudo que li sobre a Quem disse, berenice? a marca tem uma proposta de vender seu produto (logicamente), e ao mesmo transmitir a mensagem do empoderamento, a começar pelo próprio nome da marca, que é um questionamento certamente a imposição de regras às mulheres.

E não, não é um publipost, tô conversando com vocês sobre a QDB porque realmente curti a campanha dela, e, do mesmo jeito que aprendemos a rechaçar agências de publicidades toscas (são vários os casos, do esmalte às propagandas de algumas cervejas), a gente tem que exaltar quem faz campanhas magníficas.

1 Comentário para “Uma luz no fim do túnel: Campanha da Quem Disse, Berenice? e Empoderamento Feminino”

    Gravatar Nicole
    23 dezembro 2015

    Olá! gostei muito do seu blog, e estarei por aqui mais vezes. Cheguei via google, procurando informaçoes sobre as maquinas de costura. Parabenizo pelo espaço e deixo a titulo de observação, apenas um pedido; no post referido, Cartas a uma jovem costureira, a frase que inicia está meio confusa, algo como “em tava de viagem”. Desculpe se isso a incomodar, não é minha intenção, ao contrário. Abraços, até.


Deixe seu comentário