Cantem comigo o mantra “não passo mais em frente à Outlet K”…

…porque acontece justamente isso: achados, achados e mais achados. Meu bolso sofre, mas levando-se em conta que qualquer peça dessa em lojas normais não é menos de cem reais, acho que não deveria me lamentar assim.

Separei o post em tops e bottoms pra facilitar a explicação e visualização. Let’s go?

Me senti a Rainha dos Achados, com as três peças que comprei na foto acima; gente, summer blouse(de seda pura e verde militar) e camisa estilo Equipment(branquinha, branquinha, só que a ausência de flash não ajudou) por R$ 35,00 cada, é de dançar funk neurótico micado no carnaval de Macau, né? Peças que são pra vida toda! Já a tee podrinha tava de “fintxe reais”, e pensei porquoi non?

Mas o melhor vem agora: shortinhos alfaiataria de linho por R$ 30,00 reais cada…pena que uma Fifi na minha frente, com medo de que as outras Beckys Bloom pegassem os shorts, cercou a arara e pegou de bolo(tudo 38 quando o manequim dela era 44 no mínimo), correndo logo em seguida para o provador. Resultado: as peças não voltam no mesmo dia do provador, e Rose teve que garimpar bastante, subir em escadinha e pegar shortinhos nas araras mais altas…king kong que só eu pago quando tô em compras no Alecra!

Essa sainha, que foi vintinho também, achei tão, mas tão romântica com esse detalhe do bico de cambraia, que acabei levando também. Dá pra fazer setecentas mil combinações com ela. E eu sou aloka da cambraia, deu pra perceber, né?

Ainda no Alecrim comprei alguns tecidos pra fazer umas saias, que quando estiverem prontas eu mostro, e outra pecinha na Otoch, que se vocês pedirem aqui nos comments também faço post!

Por enquanto é só, meninas…quem das minhas leitoras amadas andou descobrindo achados no Alecrim, assim como eu? Comments pra gente tricotar!

Campanha da Equipment 2011: cobicei…

Olhem só essas fotos da campanha da marca Equipment:

Pra quem tá na vibe camisa social/calça de alfaiataria dá pra ficar louca por cada modelinho…principalmente esse último, super classudo!

Em verdade, já até falei das summer blouses em um post não muito recente, mas o estilo da Equipment pro lado utilitário da coisa é o que tem feito minha cabeça. Linda essa camisa da musa Carine Roitfeld:

Pra quem não sabe, a Equipment, surgida em 1975, tinha como diretor o bofe de Carine, Christian Restoin. A empresa chegou a parar de funcionar, mas em 2010, a grife fora relançada, e agora integra a companhia de Serge Azria, dono da Joie e Current/Elliot. Nem é preciso dizer que caiu no gosto das fashionistas mundo afora(e das lojas fast-fashion também), estão aí as imagens pra confirmar:

Como já disse, tô à procura de uma camisa mais no estilo das duas fotos logo acima, bem utilitárias mesmo, estilão militar. Acho dignas demais!

E vocês, vão de Equipment ou não?

Resumão S/S da semana de Moda em Paris, parte 2

E hoje finalizamos o post do resumão de Paris. Muita coisa linda que dá pra aproveitar agora(e no meu caso, o ano inteiro), em tempos de alta temperatura.

Balenciaga/Chloé/Dior/Gaultier


Balenciaga: um certo ar masculino rondou a passarela da Balenciaga; Tomboy mesmo. Oxfords, alfaiataria, casacos, camisas masculinas…a amenizada no aspecto “homemzinho” foi dada pela estamparia de flores e tecidos delicados. O mais legal que vi no desfile foi a presença do xadrez pied poule(tipicamente invernal), em pleno verão. Ou seja: não existem mais regras na moda.

Chloé, sua linda, que desfile, hein? Cortes femininos não-piriguéticos, elegância, e graça foram marcantes no desfile. Aliado a isso, elementos esportivos e estilo utilitário, mas, cadê a feminilidade nisso? Nos tecidos empregados, principalmente a transparência. Destaque para os vestidos bem estilo bailarina, espalhando uma tendência que eu falei há um tempinho aqui no blog.

Dior: o lugar? Polinésia nos anos 40. As pessoas? Turistas que amam cores berrantes, mas que também adoram o estilo pin up de ser, à la Betty Page. E deu navy, muito navy na cabeça. E John Galliano deixou isso bem evidente, com a aparição das “jeuns marins” trajando quepes de marinheiro e jaquetas oversized. Uma coleção que exala maresia, cruzeiros, leveza e elegância! Os comprimentos eram mini para saias, vestidos e shorts. Calças amplas, largas e bem boyfriendianas. Vestidos longos também deram seu ar da graça.

Eu adoro Jean-Paul Gaultier; autêntico, excêntrico, e sabe como ninguém surpreender nas passarelas. A abertura do desfile com Beth Ditto antecipou o que estaria por vir: um ar punk, transgressor, que buscou nos anos oitenta um estilo bem Joan Jett. O resultado foram cropped jeans, blazers estruturados, skinnys de lycra, e meias rendadas, why not?

Mcqueen/Colette D.


McQueen era muso, e deixou muitas fãs da marca orfãs com sua morte prematura. A parte boa disso tudo é que Sarah Burton, que ocupou seu lugar e foi sua assistente por 15 anos, aprendeu muito com o mestre, e para melhorar, deu um toque feminino às criações da marca.  Digo que não gostei apenas desse traje paquita da primeira foto; os outros modelos me conquistaram, principalmente aqueles que mais pareciam galhos de árvores trançados no corpo, só que dourados, brancos…lindos mesmo. Os comprimentos foram ou muito curtos ou muito longos. As cores mais presentes foram branco, dourado, bronze, estampas com vermelho escuro e dourado, e preto.

Logo na fileira de baixo, tive que colocar a coleção da Colette Diningan pra vocês visualizarem o quão foi veranil…feminina, leve, e jovem, a coleção mostrou peças cheias de frescurites que tanto amamos, como laços, florais, e tecidos pastéis…adorei!

Dries Van Noten/Nina Ricci/Ungaro


Dries Van Noten mostrou uma coleção prática; pegou a danada da mulher alfa, e transportou para sua coleção, dedicada às bravas frágeis, sedutoras mágicas, com um pequeno toque masculino. Dúvida? O que dizer da camisa de corte masculino feita de tecidos fluidos, super mulherzinha? E da camisa que a gente rouba do bofe e faz uma saia? Bom pra tentar fazer em casa! Os comprimentos foram predominatemente abaixo do joelho, e longuinhos.

Ninaaaaa, uma coleção de ares “francesinhas fresquinhas” comedoras de macaron! Mas querem saber, EU AMEI! Babados, shortinhos bufantes, sapatos bonecas, transparências, enfim, girlie total!

Ungaro apresentou uma coleção meio Rodarte Feelings; a atmosfera que mais parecia um funeral, e não um desfile de primavera/verão. Particularmente não gostei, acho que pelas flores, parecidas com coras de velório. Sem dúvida, as peças mostradas exaltam a feminilidade, mas os drapeados, penas e rendas, não me seduziram.

Elie Saab


Confesso que tive vontade de colocar TODAS as fotos do desfile da Elie Saab pra vocês, tava tudo lindo de viver!

A coleção resgatou o glamour setentinha e apresentou peças ora estruturadas, ora vaporosas, mas todas ultrafemininas. As roupas refletiram o clima provocante e elegante, de um tempo em que o glamour e o estilo marcavam cada aparição. Macacões, vestidos curtinhos, longuinhos, ternos estruturados, a cor azul, salmão e nude certamente seduziram muita gente. Aguardemos para ver muitas celebs de Elie Saab nos próximos dias…

Miu Miu/G. Valli

Giambattista Valli deixa explícito 3 tendências: animal print, transparência e flat shoes. E é só isso que importa relatar para vocês já se prepararem pra bombar muuuito esse ano!

E quem não sentiu um clima de “roupa do Elvis” com essa coleção da Miu Miu? Na hora, quando vi os casacos com estampas duplicadas em cada ombro, me veio à cabeça o Rei do Rock…e me deu febre…febre setentinha novamente. Nas estampas, saem as gaivotas e seres humanos, e entram estrelas, conchinhas do mar, e outros animais. Pra ficar de olho, meninas, pode vir uma febre de estampa de estrelas por aí…

Isabel Marant


Eita que Isabel Marant mereceu um quadro só dela no blog! Amei de coração o estilo mostrado na passarela, embebido do espírito oitentinha, com direito a ‘Holiday’ da Madonna rolando no vai e vem das modeléticas(modelos esqueléticas). Regatinhas de tela, pólos, calças coloridas, sainhas, e o espírito colegial imperaram soberano. Senti algo como preppy-folk, é isso, auditório? Quero tudo!

Paul&Joe


Paul and Joe injetaram o espírito setentinha na passarela: vestidões, saiões, blusas cropped, e flaired pants nos remetem imediatamente a uma época em que a liberdade era mais. Cores? Muitas, quanto mais alegres e acesas, melhor. Os comprimentos? Do médio ao longão(age of aquarius!)

Hermés/L.Vuitton/Sonia Rykiel/Stella McCartney

A coleção Hermès indubitavelmente nos leva aos Jockeys, onde  acontece a prática do turfe, chique, classudo, com freqüentadoras das altas rodas sociais. Isso fica evidente tanto nos modelos desfilados, quanto na atmosfera do desfile em si. Também, para uma marca que vende uma bolsa(com fila de espera) por mais ou menos trinta mil reais, não dá para esperar que a coleção desejasse atingir outro público, né? Mas como a gente não é besta nem nada, fica a dica das cores-tendência: caramelo, hazelnut, mahogany, vermelho sangue, e laranja! Copiemos, amigas!

Marc Jacobs é fechoso, todo mundo sabe. Maximalista ao extremo, exibiu uma coleção onde as cores eram fortes, intensas. Exemplo: amarelo, violeta, cobalto, vermelho ruby, verde, fuchsia e turquesa cjamaram a atenção de quem assistia ao evento. Isso sem falar na sala à meia-luz, na passarela reluzente, e na cortina de renda que se fechou ao término do desfile. Espetáculo de MJ, mais uma vez.

Sonia Rykiel mostrou uma tendência que apareceu em quase todos os desfiles, e fica a conclusão: verão de cores fortes, por tempo indeterminado. Detalhe para o novo comprimento da saia, abaixo do joelho.

E por fim, O que falar de Stella McCartney? Essa moça que tá me deixando sem unhas nas mãos por causa do lançamento de sua coleção para a C&A, mostrou o que ela mais sabe fazer, um estilo “britânico descolado”. Cortes impecáveis, visual clean, muito chambray e jeans, e pra quebrar a monotonia estampa de frutas tropicais, eita! Stella é refinada sem ser fresca, irreverente sem ser escrachada, acima de tudo, prática.

Pronto, meninas, estamos quites com o desfecho do resumão de Paris! Cansei, mas gostei!


Resumão S/S da Semana de Moda em Paris 2011, parte 1

Essa semana é a semana dos posts intensos. Terminado o review de Milão, falei pra vocês que ainda restavam mais algumas cidades fashionistas para comentar o que rolou de legal nas coleções de primavera/verão 2011. Então, corramos para Paris, que fiz questão de dividir em duas partes, porque só assim pra gente comentar com calma, né?

Prontas?

AKRIS: a Akris exibiu uma coleção super gostosa de usar. O frescor do verão se juntou ao minimalismo da cultura asiática, e tudo deu certo. Longuinhos bem moldados ao corpo, pantalonas, e shortinhos inundaram a coleção de sofisticação e elegância. As cores eleitas foram o branco, areia, jeans, e a estampa que dominou foi o floral gigantesco. Destaque para o macaquinho jeans e para o little white dress, que resiste forte a mais uma temporada.

ALEXIS MABILLE: foi a coleção que dominou meu coração. Engraçado que eu sempre meu apaixono pelos criadores fanáticos pelo estilo ladylike. A mulher alfa é muito feminina, lembram? A coleção traz em sua essência o espírito dos feriados, mais precisamente uma viagem mucho loca à Capri. Não a Capri de agora, mas aquela que brilhara nos anos cinqüenta e sessenta. O resultado? Saias godês, cintura marcada, tailleurs curtinhos  barriguinha de fora e até o caftã deu o ar da graça na passarela. Devo dizer de coração, que achei tudo lindo! Os comprimentos foram o mini, o médio e o ultralongo.


AZZARO: Outra que me fez colocar mais imagens que o usual foi a Azzaro. Juro que tive vontade de colocar TODAS AS FOTOS DE UMA VEZ SÓ, de tão linda que tava a coleção. Gosto de coisa assim, copiável…nunca escondi isso de vocês, #supersincera.

Influenciada pela convivência com sua filha de cinco anos, Vanessa Seward jogou nas passarelas uma coleção menininha/mulher. Cocktail dresses, macaquinhos, babados, laços, laços e laços…e um único comprimento: o curtíssimo.  Meu espírito ninfeta-quase-balzaca adorou!


CÉLINE: Como sempre, a Céline pesou no minimalismo e trouxe uma coleção que pra variar privilegia o corte, com linhas simples e proporções renovadas. O que deu pra perceber foi a presença de peças sofisticadas, elegantes e com texturas diferenciadas. O branco reinou soberano, e a marca bateu forte nas camisas, blusas, túnicas e caftãs.(acho o caftã a cara da riqueza!)

BALMAIN: O ombro Didi Mocó foi reduzido, fato. Agora tá um ombrinho meio Alcimar Monteiro. Mas a linha sexy-rock/punk-style foi mantida, e lá chegam as tachas, o jeans destroyed /sujinho, as jaquetas biker, as leggings metálicas, os shortinhos e os corsets. Reparem nos pés das modelos, o amado scarpin apareceu em (quase)todas! Falando dos comprimentos, imperaram calças cropped, shorts curtíssimos, e mini saias…piriguético, non?

CHANEL/YVES SAINT-LAURENT: O que posso falar do combo Chanel/YSL…A Chanel desfilou uma coleção fina de doer: cenário que reproduzia os jardins de Versaillers, e a atmosfera foi aquela do filme “Last Year at Mariembad”. O resultado? Uma coleção rica em contrastes, mágica, marcada por rendas, chiffons, pêlos, e muito, mas muito cinza, preto, e branco. Os Tailleurs estiveram nas passarelas, e o comprimento curtinho, que pensei que não ia aparecer, deu seu ar da graça. Já YSL mostrou uma coleção bem colorida, que agradou àqueles que de há muito reclamavam da austeridade excessiva das pelas desfiladas. Também em YSL a feminilidade aflorou, mas de uma globetrotter, de um mulherão, nem tanto ladylike, mas muito mais aquela mulher das capas de revista dos anos 90. Claudia Schiffer, ícone fashion daquela época, deve ter amado! (Posso levar aquele macacão preto pra casa?)

VIONNET/LANVIN: Pense em um combo bom de falar! A Vionnet usou e abusou das formas geométricas, dos decotes escandalosos, e jogou uma florzinha aqui, uma transparência ali, e tudo deu certo; simplesmente amei a coleção(e a amiga Leighton pelo visto também, já que usou o primeiro vestidinho da esquerda pra direita bem recentemente). Já a Lanvin(queridinha de Blake Lively, que também usou uma das peças dia desses, tá no blog também) desfilou uma coleção que bateu forte na feminilidade, que mostrou a natureza feminina, com seus defeitos e qualidades. Formas fluidas, que acompanham o corpo, a simplicidade sofisticada, o contraste de estilos, tornou a Lanvin uma das coleções mais ricas – em termos de criação – que pôde ser vista na semana de moda em Paris. Os comprimentos foram do midi ao maxi, representando as múltiplas facetas que podem ser assumidas pela mulher contemporânea, e toda sua efemeridade. Perfeita!

Amores, fico por aqui(pois já é tarde e amanhã ainda é muito trabalho à vista), e vejo vocês na segunda parte do review de Paris.


Adoooro! da semana: Blake Lively

Blake sua linda, precisava aparecer tão impecável assim?

Pra quem se interessou, a loira está toda trabalhada de Lanvin Summer/Spring 2011.

Reparem no cinto/colar com broche de inseto, e no body, que foi por dentro da saia longa. Mesclou todas as tendências e seu deu bem!

As sandálias são um show à parte: são parafusadas, achei tão moderno.

E o make ficou leendo, todo cobre/telha, com destaque para um produtinho de beauté de todas as celebs que tenho visto: creme iluminador nas pernas e nos ombros. Esse piriguetismo tem se mostrado essencial.

Blake sua linda!



Pra não dizer que não falei de flores…

Que dizer dessa camisa floral da Lea Michele?

A estrela de Glee nos deu uma alternativa ao turbilhão de sainhas e vestidos florais da temporada.

Viram, existem mil maneiras de se usar floral…invente uma!

Ah, e muita atenção na bolsa quadradinha…trendy ou não é?

Lea, tenho orgulho de você!

Páginas1234