Na moda nada se cria…

Parafraseando o entertainer Chacrinha, com as devidas adaptações, na moda “nada se cria, tudo se copia”. Se isso é bom ou ruim, eu diria que depende.

Quando a cópia vem seca, crua, se iguala à sua fonte criadora, sem nenhuma adaptação, não me agrada. Porém, quando a fonte criadora serve apenas de inspiração, aí sim, tenho a ousadia de chamar de originalidade.

Quer um exemplo prático? Digamos que bolsa amarela é tendência, e uma fast fashion qualquer lança uma. E aí os blogs de streetstyle explodem com looks feitos com a danada da bolsa(todo mundo comprou, claro), cada um mostrando um jeito diferente de usar a peça, digo em termos de combinação. Tá, a bolsa é a mesma, mas o jeito de usar…amigas, esse não é (o) mesmo. E aí, uma copiou a outra, comprando a mesma bolsa, certo? Certo. Chamar de quê? Originalidade, estilo, não tem outro adjetivo pra descrever esta situação hipotética, já que à mesma bolsa, foi dado um look bem diverso.

E são esses mesmos adjetivos que uso para as duas coleções que vou apresentar agora, que representam a pré-primavera de Stella McCartney e Anna Sui.

Stella mostrou uma coleção marcada de muitas cores, e blocos de cores, à la Gucci; e listras muito parecidas com Prada meets Marc Jacobs, mas nem pensem que ficou “plagiado”. Stella imprimiu sua nota característica de cortes impecáveis, formas mais soltas, e estilo minimalista a algo que tinha tudo pra ser uma coleção cópia de outras igualmente renomadas.

Nos modelos em preto-e-branco, o pied-de-poule(que veio com Balenciaga nos últimos desfiles) e os lacinhos apareceram:

E os acessórios? Objetos-desejo:

Já Anna Sui, além de wrap dresses, trouxe frutinhas pra vestidos e blusas…lembra alguém? Stella, né? Isso até vocês conferirem a coleção, que tá longe de ser cópia reprográfica da fonte criadora.

Então é isso, meninas, fica a lição de que usar a mesma peça que o outro usa não implica dizer que você é a “mulher que copiava”. O mesmo se aplica às hipóteses de ter uma ideia após ter visualizado algo. Imprima seu estilo pessoal, sua personalidade, e você passará longe de obviedade, muito embora esteja usando a mesma peça de roupa da colega ao lado.

Semana de moda em NY, SS2011 parte 1

Eita que esse post era de rosca!

Mas, até que enfim começamos a fase 1 das resenhas da semana de moda em Nova Iorque. São tantas as imagens, que acabei dividindo o post em 3 partes, primeiro pra não ficar cansativo, e segundo pra vocês olharem atentamente os looks, porque é disso que a gente gosta né?

Vamos deixar de conversinha e ir ao que interessa?

Alexander Wang

Alex Wang apresentou um hi-lo bem interessante. Em sua coleção, o mix foi a aplicação tecidos fluidos  a peças utilitárias, como calças cargo e jaquetas cropped com velcro.

O toque futurista ficou por conta das jaquetas de organza metálica, e vestidos de corte desconstruído, que mostravam um visual de vanguarda, e clean ao mesmo tempo.

Apesar de constar na paleta de cores da coleção o prata, o amarelo, o dourado, o ocre e verde água, vi muito branco sendo desfilado. Confesso que achei monótono ficar passando aquele bocado de modelo branco, sabe? Mas, tirem vocês as suas próprias conclusões:

Olho na botxeenha e na abotinada da primeira foto, que parece aquela da Santa Lolla, a open boot da cobiça!

Anna Sui

Quando vi a coleção de Anna Sui, jurei que tava vendo desfile da Colcci ou da Cantão. Totalmente étnico/bohemian chic, não faltaram saias longas, vestidinhos curtos e soltinhos, e o combo estampa/estampa.

O crochê reinou absoluto(e promete estourar também no Brasil já nessa primavera/verão) e foi visto em vestidos, shortinhos e cardigãs, mostrando que o artesanato vem que vem!

As cores da coleção foram o índigo, rosa opaco, cáqui, preto, nude, bronze, caramelo, aveia, lavanda. Sem falar nos estampados…ah, os estampados!Cada um mais lindo que o outro.

Outra tendencinha que vem por aí, e que eu já tinha avisado, é o acessório tribal…ele compareceu à passarela da Anna Sui, fazendo par com as botas de camurça, ícone do boho.

Selecionei os que mais me agradaram pra mostrar pra vocês:


Carolina Herrera

O desfile de Carolina Herrera foi um verdadeiro show: deu vontade de pôr todas as fotos aqui, pra vocês confirmarem comigo! Tudo na marca tem cara de red carpet, até mesmo nas coleções ready to wear. E não vai demorar pra alguma celeb usar um desses exemplares por aí, aposto todas as minhas fichinhas!

A coleção CH veio recheada de florais, com muitas das estamparias em estilo bem oriental. A marca traduziu o frescor da primavera em modelos que realmente nos remetiam a bosques, parques, e aquelas locações lindas da Coreia! Magnífico!

As saias amplas, os vestidos com estamparia floral, e as faixas típicas de amarrar kimono bombaram na passarela, ao lado de um acessório inusitado: o chapeuzinho coreano! Loved it!

As cores da coleção foram basicamente preto, branco, laranja, verde claro fuchsia, marrom escuro, vermelho, sem falar na estamparia floral!


Suprema!

Carlos miele

Eita que o brasileiro arrasou na passarela americana: a borboleta, expressão do desejo de liberdade, parece ter sido o símbolo da primavera do tupiniquim. É que a marca estampou o bichinho em muitas das criações, e ficou lindo!

A coleção teve muito shortinho, mini-dresses, saia curtas e longos para o dia, e anoitecer(fiquem de olho neste comprimento!)
As cores? Amarelo, branco, preto, vege, azul, laranja e dourado. E as estamparias de borboleta, claro!

O drapeado também foi eleito pela marca, e apareceu em muitos exemplares da estação. Sinto cheiro de tendência no ar:


Calvin Klein collection

O designer Francisco Costa manteve a linha minimalista da Calvin Klein: a utilização de poucas cores (preto, branco, bege, laranja e dois tons de azul), foi compensada pela perfeição dos vestidos-coluna, e pel impecável corte das peças, tão típicos da marca.


Bill blass

Taí uma marca que eu não conhecia, mas que ganhou meu coração! Os eleitos da coleção cápsula de Jeffrey Monteiro foram os vestidos curtinhos, e os longos de crochê, que são promessa para a estação mais quente do ano.

As cores? Preto, prata, crème, cinza, off-white, vermelho e laranja. As estamparias vão do floral ao tribal, passando pelas listras.

Davidelfin

Vocês não tem noção de como é legal essa coleção do Davidelfin.

A marca aplicou a tautologia em seu favor: Davidelfin se utilizou de poucas cores(azul-bic, amarelo, preto, verde limão e laranja fluo), e deu a elas várias opções de modelos, merecendo destaque o hi-lo incrível, através da fixação de faixas e detalhes que mais lembravam amarrações de camping (ou aqueles prendedores de mochilas de campista) em vestidos ultrafemininos e esvoaçantes:

Eu simplesmente adorei as pumps de várias cores, e os tubinhos que jeitinho de smoking. Estes últimos me lembraram os cortes dos vestidos de neoprene desfilados no Brasil…

Amanhã, continuamos com a parte 2 da semana de moda em NY. E vamo que vamo que ainda tem Londres, Milão e Paris pra mostrar pra vocês!