Looks de Festa: Aprendendo com Hailee Steinfeld

E muitas de vocês dirão? Hailee quem?

Assim pelo nome fica difícil identificar qual é a atriz, mas tenho certeza que agora vocês lembrarão, porque né, como esquecer aquela menina destemida do maravilhoso filme Bravura Indômita? Virei fã dela depois da película, e me encantei ainda mais com o estilo de Hailee nos carpets da vida; sério, ela não decepciona.

Não consigo identificar um segmento único do estilo de HS, mas eu poderia descrever como um estilo mocinha-em-transição-pra-mulher: é que ora ela usa looks um pouco mais adolescentes(e aparece com trajes curtinhos), ora junta maquiagem e peças bem mulherão, e desce um pouco a saia, ou vestido.

Sua personal stylist (acredito que tenha uma, ou um, sei lá) tem certa preferência por Prabal Gurung, e Miu Miu, parte jovem da Prada que também adotou Hailee como garota propaganda em 2011. Por isso não é de se admirar que tenha bastante Miu Miu nos looks que separei:

Notaram como ela segue uma fórmula linear? Vejo que ela evita chocar, ou utilizar algo muito cheio de recortes, detalhes demais, é tudo bem sequinho. Isso evita escorregões desnecessários; a atriz ama muito o preto, o branco, ou o mix preto-e-branco. Assim fica fácil, e fica lindo!

Agora, se eu pudesse escolher uns looks pra mim, ficaria com a dupla saia midi + cropped(que titia está costurando pra mim, mostro em breve), e o conjunto de calça de xantungue branca e regata Prabal Gurung(lá em cima), achei divino, e já furtei o estilo da calça pra fazer uma em xantungue rosa seco, vai ficar loosho, poder e sedução!

E como não podia deixar de ser, o look número 1 de Hailee Steinfeld, achei impecável o vestido, o cabelo, a maquiagem, ficou muito fofo:

Curtiram? Dá umas idéias legais pra formaturas e afins, né? Tô fazendo uma mega compilação pra turma do “não-sei-o-que-vestir-em-bailes-casamentos-e-afins”, que olha, cês vão amar!!! Aguardem!!

Quando Prada quer, é Prada que manda?



“- Lucidez. Completa lucidez, meu bem.

-Gostaria de saber o que você quis dizer, Victor.

-Três palavras, minha amiga:Prada, Prada, Prada.”

Bret Easton Ellis

O questionamento veio logo após debates na timeline com leitoras do blog, sobre os “singelos” oxfords que Prada lançou. São esses aqui:

O pior é que algumas celebs(provavelmente ganhando unzinho pra dar um increase nas vendas, e deram de fato) começaram a usar, e a chuva de inspireds começou: lá fora tem na Asos, e agora a Arezzo lançou um bem parecido aqui no Brasil, pra coleção de verão 2012.

Sinceramente? Não uso, não gosto, não incentivo. Pelo simples fato de que não é porque a indústria da moda me empurra, que eu tenho que aceitar sem questionar. É Prada? É, e daí? Se vocês repararem no desfile de primavera/verão da grife, os ares são surreais; as inspirações vão desde o gato Cheshire de Alice(peles listradas), até Sr. Wonka, da Fábrica de Chocolate, com aqueles oclões gigantescos ultrarredondos, passando pelo estilo barroco das armações, etc…e tudo isso funciona demais na passarela, é conceitual.

Desfile é isso mesmo, uma mistura da fantasia com realidade, e cabe a nós – e somente a nós – com nossos cérebros e espelhos filtrarmos o que serve pra usar nas ruas, e o principal, que idéia podemos extrair destes desfiles e combinar com nosso corpinho, que nada tem a ver com o das esquálidas que andam pra lá e pra cá, nas runways mais famosas do universo.

Separei até algumas coisinhas pra mostrar pra vocês como existem coisas que funcionam na vida real, diferentemente daqueles oxfords horrorosos:

Portanto, não adianta forçar a barra. Não interessa se é Prada, nem muito menos se é Riachuelo, não interessa se Ashley Olsen saiu de casa de clogs. Não gosto, não uso.

Na moda nada se cria…

Parafraseando o entertainer Chacrinha, com as devidas adaptações, na moda “nada se cria, tudo se copia”. Se isso é bom ou ruim, eu diria que depende.

Quando a cópia vem seca, crua, se iguala à sua fonte criadora, sem nenhuma adaptação, não me agrada. Porém, quando a fonte criadora serve apenas de inspiração, aí sim, tenho a ousadia de chamar de originalidade.

Quer um exemplo prático? Digamos que bolsa amarela é tendência, e uma fast fashion qualquer lança uma. E aí os blogs de streetstyle explodem com looks feitos com a danada da bolsa(todo mundo comprou, claro), cada um mostrando um jeito diferente de usar a peça, digo em termos de combinação. Tá, a bolsa é a mesma, mas o jeito de usar…amigas, esse não é (o) mesmo. E aí, uma copiou a outra, comprando a mesma bolsa, certo? Certo. Chamar de quê? Originalidade, estilo, não tem outro adjetivo pra descrever esta situação hipotética, já que à mesma bolsa, foi dado um look bem diverso.

E são esses mesmos adjetivos que uso para as duas coleções que vou apresentar agora, que representam a pré-primavera de Stella McCartney e Anna Sui.

Stella mostrou uma coleção marcada de muitas cores, e blocos de cores, à la Gucci; e listras muito parecidas com Prada meets Marc Jacobs, mas nem pensem que ficou “plagiado”. Stella imprimiu sua nota característica de cortes impecáveis, formas mais soltas, e estilo minimalista a algo que tinha tudo pra ser uma coleção cópia de outras igualmente renomadas.

Nos modelos em preto-e-branco, o pied-de-poule(que veio com Balenciaga nos últimos desfiles) e os lacinhos apareceram:

E os acessórios? Objetos-desejo:

Já Anna Sui, além de wrap dresses, trouxe frutinhas pra vestidos e blusas…lembra alguém? Stella, né? Isso até vocês conferirem a coleção, que tá longe de ser cópia reprográfica da fonte criadora.

Então é isso, meninas, fica a lição de que usar a mesma peça que o outro usa não implica dizer que você é a “mulher que copiava”. O mesmo se aplica às hipóteses de ter uma ideia após ter visualizado algo. Imprima seu estilo pessoal, sua personalidade, e você passará longe de obviedade, muito embora esteja usando a mesma peça de roupa da colega ao lado.

VSMT: Tia Alice, dia 22

Hoje o VSMT conta com saião “listrado feliz”(feito por Tia Alice aos 45 do segundo tempo, quando eu tava pegando as malas pra viajar) e regatinha duas-em-uma, da Cris Barros para Riachuelo. Pense numa peça maravilhosa!

Pra passear por aqueles calçadões fervilhantes de Ipanema, ornei apenas com umas rasteiras da Myosotis, e cinto da Mix bolsas, mais velho que tudo no mundo!

…e por falar em listras, é importante que já comecemos a farejar peças com listras color blocking, que prometem bombar muito por aí nos próximos dias…olhem aí os looks das passarelas, pra gente não passar por mentirosa:

Portanto, meninas, fica a dica, que é forte!

O verão, segundo a Vogue Australiana de março de 2011.

Se eu pudesse traduzir o editorial da Vogue de Março from the land down under em uma palavra, eu diria: caliente!

A revista fez questão de usar como pano de fundo para as fotos o México, com um único propósito: mostrar que o verão é, sem sombra de dúvida, latino, colorido, irreverente, arejado, e chique!

Para minhas leitoras queridas que acompanham dia-a-dia este blog, muitas das peças mostradas não são novidade…lembram desse primeiro vestido da esquerda, com inspiração em Carmen Miranda, do desfile da Prada? Massa, né?

Atentem para o velho truque do cinto amarrado, e para um novo comprimento(que promete competir de igual para igual com os curtíssimos) abaixo dos joelhos…vamos ver ainda muito por aí…

As estampas graúdas também se fizeram presente no editorial, ao lado dos vestidos mod(sixties total), recorrentes lá fora, e usados demais por Vic Beckham:

E o que dizer da estampa de frutas de Stella McCartney? Voltamos à Tropicália, meninas!

Color blocking na velocidade cinco, grafismos, cores fortes…estamos no verão da irreverência, a latinidade aflora, e a elegância a ela se alia!

E por falar em irreverência, Prada de novo, com estampa de bananas…yes, nós temos!

Ai como tô adorando falar desse editorial! Meu eu barranquillero(só quero ser Shakira, aloka!) tá transbordando de felicidade, com tanto laranja, verde, amarelo, pink, estampas divertidas e autênticas, tudo junto e misturado!

E no último grupo de fotos, só faltava ela: uma  camisetinha verde de amarela! Puro amor por esse editorial!

Quero essas wedges de solado de corda com a força de Thundera!

Pra finalizar, aquela letra de música que vem bem a calhar com o  editorial:

Represent – Orishas

Ven que te quiero cantar de corazón así

La historia de mis raíces
Rumba son y guaguancó todo mezclado
Pa que lo bailes tu
Mira hay quién no baila en la Habana

Represent, Represent Cuba,

Orishas undergraund de La Habana
Represent, Represent Cuba, tu música

Vas vas vas vas y bouge ton cul sur le beat écoute ça

J’prêche pour ma chapelle : Panam
J’représente gars mes refrè d’la Havana
J’rappe c’est mon dada

Miko Niko chico
Soy loco sem prefosion
J’représente la salsa l’soleil de Cuba
J’oubli Paris, la pluie, son ciel gris et tout ça
J’rêve de belle nana sur la plage d’la Havana
Me pavaner, sous les palmiers à fumer j’représente ça!

Mi música Tiene sabor a melado de caña Ay dime si te gustó

Hey yo estoy representando a los Orishas de mi cuba
Mofare Olofi hasta la sepultura

J’représente la salsa, le hip hop cusas se vous
Cuando quiero estallar yo me voy a mi zona
Pa’ La Habana yo me voy

J’représente le blanc, le noir, le chico, la chica
D’chicago à Panama, Tokyo à la Havana
J’représente la fiesta soul de Cuba y mi conga

Surf’s Up!

E hoje o post vai esclarecer o que eu disse en passant no programa Band Mulher, da Ju Cavalcante(recomendo, assistam!): o surf voltou a invadir o mundo da moda no Brasil. Tudo influência lá de fora.

Primeiro, a Chanel cria sua primeira prancha de Surf. Depois, a Prada desfila uma coleção super influenciada pelas paisagens vistas diuturnamente por aqueles habitantes praianos com long johns(ou short johns) e hipoglós no rosto. E deu no que deu.

A maré alta traz para a beira do mar(e para a cidade) cores ácidas, recortes e tecidos inspirados na roupa dos surfistas(neoprene e lycra, que eles usam para se proteger da água gelada), e florais, principalmente os hibiscos.

Mas, como bem sabemos, a passarela é muito conceito; portanto, não é pra amiga saí por aí toda trabalhada no neoprene num sol de 40 graus, na na ni na não! Basta um shortinho floral, ou mesmo saião, que já tá garantida a inserção do estilo no closet.

E aí: prontas pra surfar essa onda?

Fotos: Reprodução.

Páginas12