Eita, Free People, maltrata esse coração…

Se uma loja quiser ganhar meu coração, não precisa de muito, na verdade de uma coisa só: identidade. Sabe aquela coisa de reconhecer a peça de uma loja, mesmo estando fora dela? Então, a Free People e a Farm têm muito disso, as peças não são apenas peças, retratam estilos de vida, refletem o comportamento daqueles que as usam…até as músicas que tocam na rádio Farm são peculiares, remetem à marca de um jeito ou de outro…juro a vocês que onde quer que eu esteja, se escuto Tulipa Ruiz, ou Sara Tavares penso “nossa, isso é tão Farm…”

Então, a Free People é bem assim, e freqüentemente faz publicar no seu instagram looks cheios de personalidade. Nada do que as pessoas chamam de “tendência”, o que é bastante legal, já que tomei um certo abuso do termo, pois carimba na testa da gente um “tem-que-usar”, como se fôssemos obrigadas a engolir tudo que não se parece com a gente em nome da itpopularização, ou itidiotização, dá no mesmo.

O fato é que desejei usar vestidinho navy curtinho, pantalonas gigantescas, saias midi, e shortinho de patchwork…nada que tenha em catálogos de moda convencionais. Como minha mente é meio randômica, a aleatoriedade me permite não me ligar muito em épocas, e sim no estado de espírito, e na vontade de criar(caso do patchwork, tô desenvolvendo uma saia pra mim assim).

Talvez por isso a Free People me agrade tanto com esses lookbooks mais novos, que abarcam as meninas boholentas, pinups, vintagistas, bucólicas, e surfistas, tudo junto e misturado! Como sou várias em uma só, dona de muitos humores, me identifiquei total!

Pena que a Free People não dá muita chance pra gente que não é ryca, tipo, pra vocês terem uma ideia, essa pantalona custa mais de duas mil Dilmas, quer dizer…é implorar pra titia se compadecer da minha situação e fazer pelo menos duas das peças aí da seleção. Pelo menos o vestidinho navy e a saia envelope pra eu não ficar tão tristinha. Oremos para os sonhos se realizarem!

Adoooro! da semana em dose dupla: Kirsten Dunst e Hayden Panettiere

Só porque uma usou um look fácil de copiar, e outra um vestido de festa sem-erro, me sinto na obrigação de postar ambas. Vou já deixar vocês sem ter ideias do que vestir! Jamais!

Primeiro, Kirsten com seu vestidinho xadrez da Miu Miu, que estou imprimindo neste momento, e inserindo na minha pastinha de vestidos-desejo:

Fotos: Just Jared

Aiii, como ela tá bandida! Deixou um botãozinho do vestidjeenho aberto, que eu vi!

E agora Hayden, que nunca erra, talvez porque nunca saia de sua zona de conforto. É sempre vista com vestidos sem frescuras, porém com bom corte, e clutches + sapatos escolhidos:

Adoro essa manga tipo uma “tampinha” por cima da cabeça do ombro…acho muito digna.

Ah, pra vocês não reclamarem, make em imagem super-giga-mega-blaster(se clicar nela, fica maior ainda), dá pra tentar em casa, e acertar também, já que não tem muita frescura:

Imagens: Reprodução

Bom fim de domingão a todas e espero que tenham curtido o “Adoooro” duplo!

Kate Perry feelings na campanha de primavera 2011 da Bluegirl

Tá certo que Kate Perry não traz, digamos assim, uma inovação para o mundo da moda, até mesmo porque o estilo pin up sempre teve várias adeptas, independentemente de ser moda ou não. Me lembro de muito nova ver várias meninas em convenções de tatuagem e piercing com tatuagens de cerejinha, franja curtinha, batom vermelho, shortinho de cós alto, blusinha de bolinha e lenço no cabelo. E eram muitas mesmo!

Agora, que essa campanha de primavera da Blugirl teve altas doses de Katyperryanismo, é inegável…até a modelo se parece com ela, gente!(guardadas as devidas proporções, até porque a moça no editorial é loira)

Se pudesse traduzir em uma palavra a coleção, seria CHICLETE..tudo rosinha, docinho, fofinho, como toda girlie que se preze deve ser!

Esse vestido de cambraia nude da terceira foto, aqui embaixo, me matou com a faca da cozinha, quero pra já!

Quem curte o estilo? Acharam meio KP, assim como eu, ou não tem nada ver?