Capsule wardrobe: o que come? Onde vive? Como se prolifera?

Não, não é uma chamada do Globo Repórter, mas bem que poderia, até pra gente saber mais sobre esse trocinho que eu soube o que era um dia desses, e que facilita demais nossa vida.

Acho que vocês devem estar lembradas de um dia, em um dos posts sobre organização do guarda-roupas(esse daqui) eu ter prometido falar um pouquinho sobre capsule wardrobe. Tá, faz um tempo da bexiga, mas antes tarde do que mais tarde ainda, não é verdade?

Pois bem, vamos ao que interessa.

Capsule wardrobe, traduzindo ao pé-da-letra significa “armário capsula”. Na mesma né? Bem o capsule wardrobe consiste, basicamente, em organizar as roupas em pequenos grupos que combinam entre si, reduzindo, portanto, o nosso tempo de procurar por pecas no armário que ornem umas com as outras. O resultado é matemático. Vocês se lembram da análise combinatória? Pois bem, essa é a lógica do capsule wardrobe, que pode ser organizado para a semana inteira de trabalho, para certas ocasiões especiais, ou para viagens, por exemplo.


Mas, na prática, como é esse babado?

De antemão já digo que o babado não é fácil no começo, não mesmo. Requer paciência, mas quando a gente pega a prática, o negócio facilita nossas vidas. Fiz uma listinha de dicas pra ver se vocês se empolgam, e me contam depois se deu certo.

Simbora!

1 – Os grupos de peças podem ser compostos de 5 a 12 itens, por exemplo. Com essa quantidade, dá pra se chegar a vinte, ou até mais combinações;

2 – O capsule wardrobe pode ser separado por ocasião: lazer, viagem, trabalho…;

3 – Tente equilibrar, na quantidade de peças escolhidas para formar o CW peças neutras e coloridas, nem muito da primeira turma pra não cair na monotonia, nem muito da segunda pra não cair no exagero visual;

4 – Peças básicas e clássicas são muito bem vindas no CW, amplia o leque de possibilidades na análise combinatória de looks;

5 – Procure harmonizar as peças da CW, evite que elas “briguem” entre si;

6 – Não repita a peça no mesmo grupo, exemplo, duas calças pretas. Se a ideia é ampliar possibilidades, não há razão para colocar duas peças parecidas no mesmo lugar;

7 – Outra dica bem válida é ir fotografando os looks no espelho e ir arquivando, mas só se vocês tiverem com paciência e tempo giga;

8 – Agora, a prática mesmo: pra começar a criar sua CW escolha três peças, consideradas básicas: blazer ou cardigã ou jaqueta, uma saia, e uma calça;

9 – Depois, mais três peças da parte de cima do look que combinem com o trio acima. A regra aqui é dar uma variada: uma camiseta, uma blusa clássica lisa, e outra estampada;

10 – Escolha ainda um vestido, ou um conjunto(esse dá mais possibilidades, já pode se descoordenar para combinar com outras peças);

11 – Além disso, e pra concluir com sucesso a missão, vamos aos calçados e acessórios. Selecione colares, pulseiras, ou cintos que combinem com o grupo formado, e escolha dois calçados, um mais clássico, e outro à sua escolha.

Pronto, formado nosso primeiro capsule wardrobe. Vamos ver como ficou a escolha das peças?

De cara, com as oito peças acima, montei mentalmente umas vinte combinações. Massa né?

Resultado: capsule wardrobe vale muito a pena, tô doida pra montar com minhas peças, mas só quando elas forem desencaixotadas da mudança porque tá osso, tô visualizando nada que eu tenho!

Arrumação geral no guarda-roupas!

E aí, tudo belezinha?

Hoje quero conversar com vocês sobre a potencialização do guarda-roupas, ou seja, como aproveitar ao máximo o que você tem no seu próprio armário.

Algumas de vocês deve conhecer bem a frase “quem não é visto, não é lembrado”, né? Então, com nossas roupas/acessórios acontece mais ou menos o mesmo: por restarem escondidas, nunca saíram dali…e para que isso não se torne recorrente, separei algumas dicas bem legais sobre o assunto, e espero que gostem, e o principal, pratiquem o que vou listar. Vocês vão se surpreender com o resultado.

Simbora!

PASSO 1: A LIMPEZA


Antes de começar a organizar o guarda-roupas, é fundamental fazer uma “derrama”,  jogar tudo na cama, e praticar os seguintes exercícios:

- Separar roupas que devem permanecer no guarda-roupas das que vão ser doadas, vendidas a um brechó, etc. Nada de arquivar peça “do coração”, ou aquela calça na esperança de que você vai emagrecer pra caber na bendita. Circule energia, é necessário, bote a roupa pra rodar, agora!

- Fazer algumas perguntas a si mesma sobre a peça também é um exercício importante. Indague-se: a roupa está de acordo com meu tipo físico atual? Veste bem? Tem um estilo atualizado, ou é démodé demais? O caimento tá bacana? Combina com meu estilo, ou foi fruto de mais um impulso-consumista-comprei-porque-todas-compraram? Se eu fosse hoje a uma loja, compraria esta peça?

- Separe roupas que precisam de pequenos ajustes (pode ser um rasgão, uma customização, uma troca de zíper…), e realmente conserte;

- Analise suas necessidades. Você passa mais tempo no trabalho que passeando por aí? Por uma questão de lógica, você deverá ter mais peças para trabalho, do que para curtir a night. Se o contrário acontece, é hora de fazer uma eliminação básica.

PASSO 2: A ORGANIZAÇÃO. O QUE FAZER COM AS PEÇAS QUE PERMANECEM NO ARMÁRIO?

Ok, guarda-roupa enxutinho, agora, o que faremos? Dois caminhos bem válidos se abrem: ou agrupamos à moda antiga; ou criamos capsule wardrobe(grupos de peças que são coordenáveis entre si). Só que esse segundo caso é assunto pra outro post, hoje vamos organizar de uma forma bem old school, mas que funciona bastante.

Fiz um quadro explicativo, pra facilitar a vida de todo mundo:

Seguindo essas dicas, nossa vida é facilitada, e aquele dilema “com que roupa eu vou?” fica fácil de resolver. Além disso, otimizando o guarda-roupas, você contribui para consolidar seu estilo, potencializar sua imagem pessoal. Incrível como tudo pode exsurgir de uma simples arrumação do armário.

Quem aí se sentiu tentada a seguir as dicas, levanta a mão! \o/