Sobre peças-chave, elementos-surpresa e composições diárias

Tenho a ligeira impressão de que todos os dias, todas as mulheres enfrentam aquele dilema: o que vestir hoje? E logo em seguida milhões de indagações se seguem; elas vão desde que peça combinar, e passam inclusive sobre a lingerie adequada para as peças escolhidas.
Mas, no meu caso, sinto que preciso exercitar um questionamento crucial, ao meu ver, para a montagem de um bom look: qual peça vai ser o ponto de partida hoje? E em cima dessa pergunta, a gente consegue um desdobramento incrível. É que fazendo essa escolha, a coordenação vai fluindo, a gente vai montando esse quebra-cabeças que é o ato de se vestir, e surpreender os olhos alheios.
Adicionado a isso, também tomo como lição o macete do elemento-surpresa. Ele traz um toque ao look que não sei explicar, mas descrevo como aquele scanner detector de metais: a gente vai passando o olho no look, e algo nos chama atenção, ele destoa e ao mesmo tempo harmoniza a composição. E pode ser um sapato, uma carteira, um colar, um jeito diferente de amarrar o cinto…cabe a nós praticar, que um dia a gente acerta, ah, se acerta!

Pra vocês entenderem do que tô falando, selecionei algumas imagens que mostram, na prática, como a coisa funciona:

20130219-230352.jpg

20130219-230414.jpg

Interessante, né? Não tem mistério, é treinar o olho, e praticar, praticar…

Betty, a parisiense

Se tem uma coisa que eu admiro nos blogs que amo (e leio) é o fato de que suas autoras não põem o próprio estilo à venda. Exemplo? O blog de Betty, da parisiense-cantora-atriz-compositora Betty Autier.

Betty Autier é a parisiense típica, descolada, que imprime no seu vestir as coisas que ama: cultura pop, anos 80, e o forte estilo de quem nasce nas redondezas do Sena. É que, tal qual toda mulher é meio Leila Diniz, toda parisiense é meio Brigitte Bardot meets Jane Birkin (que não é francesa de berço, mas exala o estilo das parisienses), provida do famoso “je ne sais quoi”, e ao mesmo tempo “só sei que foi assim”.

E esse jeitinho de Betty fazer suas montações muito me apetece, e me inspira. Vivendo numa cidade quente como essa capital do sol, brincar com shorts, camisas, regatas, sainhas, e camisetas pode ser muito divertido, e pode sim sair do lugar comum: bastam os acessórios certos, a combinação certa, e manter fincadas no chão as raízes do seu estilo.

Difícil? Que nada, tá aí Betty pra mostrar que o aspecto lúdico é o que mais ajuda na hora de escolher a “roupinha do dia”. Porque se o ato de compôr um look não  for jocoso, desculpa, mas você tá fazendo isso errado.

Imagens: Le blog de Betty

Texto: trecho do livro “A Parisiense” de Ines de la Fressange

É Betty ensinando que espontaneidade e estilo devem sempre permanecer vivos, mesmo com a forçada tentativa de padronização de corpos, e trajes, pela indústria da moda.

Hay que embarazar, pero perder el estilo, jamás!

Tô cabida mesmo, usando e abusando do meu rasteiro conhecimento em espanhol, pra mudar umas palavrinhas da frase do Che, e abrir o post de hoje. Sim, porque muitas mulheres quando estão grávidas não tão nem um pouco tentadas em andar por aí com aquela calça jeans com neoprene no cós, ou mesmo com um vestidinho de manguinha bufante e lacinho regulador nas costas.

Sou sincera: eu, se tivesse grávida não curtiria, e sei que muitas de vocês também não gostariam, por isso o motivo desse post de hoje, que tem dois tópicos básicos: roupas de grávidas para festas, e peças mais despojadas, para o dia-a-dia. Porque o estado gravídico não pode te obrigar a abandonar seu estilo, nem muito menos a vaidade, né?

Então, vamos por partes:

- no dia-a-dia: para o estilo diário, a gente pode deixar de lado a calça de neoprene e investir em peças mais legais, como o shortinho, tal qual sugeriu a Marina Leiros, no blog dela 9mesesemuitomais. O conjuntinho, a pantalona, os longos, o macacão, e as saias, longas e curtinhas(de laise e rodadinhas como as da Giz-Bun no grupo de imagens abaixo), são uma boa opção pra sair do combo mortal e repetitivo(caro também) jeans c/ neoprene -vestido c/ manguinha bufante.

Outra peça muito versátil e estilosa, que pode acompanhar as grávidas até o fim da gravidez são os kaftans, aqueles vestidos retangulares que são regulados com uma faixa, e podem ser longos ou curtinhos. Tenho uma verdadeira paixão por kaftans, e quando uma amiga ficou grávida, foi minha sugestão. Ela gostou tanto que fez váriooos, que duraram até o fim da gravidez: são fresquinhos(grávida sente muito calor), práticos, e elegantes.

Já nas festas, ah, as festas…a grávida sempre fica na dúvida sobre o que vestir em casamento, formaturas e afins, mas é simples: poucos detalhes e cortes abaixo do busto, tipo império, dão uma alongada na silhueta. Quase todas as fotos de grávidas famosas(e elogiadas no figurino) que catei na internet seguem essa lógica. Querem ver?

Quanto mais parecido com aqueles vestidos “gregos” mais bonitos eu acho…chama a atenção para o colo, para o busto, e a gente até esquece que tem um barrigão por ali…lindo mesmo!

Porque a gente pode até engravidar, mas jogar fora o estilo, e “enfeiar”, jamais!

Porque alguém resolveu deixar a manguinha da blusa escapar pelo blazer/cardigã/casaco/camisa…

…e não é que pegou!

Não sei se vocês ainda lembram daquela febre do boyfriend blazer, que geralmente vinha com o forro de cor diferente pra gente usar com a manga dobrada…pois é, a questão é que essa onda foi tão pesada e caudalosa que cansou, geral não agüentava mais ver boyfriend blazer. Eu, como chata que sou, não tinha nenhum, da raiva que peguei de ver a galera uniformizada por aí.

E bem acho que muita gente sentiu o que senti, saiu catando por aí alguma alternativa, e achou uma bem simples: basta pôr as manguinhas da blusa que vai por dentro do blazer/casaco/cardigã pra fora. Nasce mais um truque de estilo.

O legal dessa sacada é que nunca, mas nunquinha mesmo, a aparência do visual vai ser monótona. Antigamente tínhamos um boyfriend blazer com forro aparecendo e só, não dava pra ser diferente. Aqui o look é multiplicado apenas mudando a peça que vai por dentro.

Notem que a gente pouco olha pra peça externa, a gente fixa nas manguinhas aparecendo, e acha o máximo!

Fotos: reprodução

Minhas composições nunca mais serão as mesmas.

Devaneio da Semana: uma blusa, e um vestido…

…mas não é qualquer blusa e qualquer vestido não, vejam:

Fotos: blog Song of Style

Fotos: Blog Cupcakes and Cashmere

Acho que descobertas do tipo são a grande vantagem de visitar blogs de meninas da vida real. Há mais informação de moda do que  ver desfiles, são poesias de vestir. Se ‘tão nas capas de revista? Não importa, nem pra mim, e certamente nunca importou pra elas. Estilo é atemporal e independe de “tendências”.

Notei que esse detalhe do vestido não é lá muito difícil de fazer, é muito parecido com aqueles colares que a gente usa com camiseta, deve partir do mesmo princípio, bordar no feltro e jogar na peça, confere?

Que acharam? Essas imagens são ou não são inspiradoras?

Momento Copycat: Miroslava Duma

E vocês perguntarão: Quem danado é Miroslava Duma?

Miroslava tem 25 anos, foi editora da Harper’s Bazaar russa, e hoje é escritora freelancer. É filhinha de papai e excêntrica(isso ela herdou de algumas editoras de moda por aí), sendo vista por aí com um estilo bem peculiar, fotografado por conhecidos blogs de street style.

MD ama misturar estampas, texturas, estilos…faz uma verdadeira miscelânea no look, regada a muitas coisas grifadas, o que gerou um certo impasse no mundo da moda: uns dizem que ela é estilosa, outros fashion addicted.

Bem, na minha opinião? Miroslava tem um enorme potencial pra desbancar Alexa Chung, Palermona e outras por aí, e exatamente como estas mocinhas, MD usa muita coisa que jamais nós, reles mortais, teríamos coragem para usar, tanto pela compleição física(vida real oi?), quanto pelo excesso cometido em certas aparições dela(vida real, oi²?). Mas tem muita coisa bacana também, tentei separar pra vocês algumas coisinhas mais “usáveis” de MD, principalmente seus vestidinhos, que amei de paixão:

Outro ponto positivo para a russa é que sabe como ninguém lidar com suas características físicas: ela é baixinha(me identifiquei), e faz de tudo para alongar sua silhueta, as pernas sempre parecem mais longilíneas, sequinhas. Se tem uma garota que conhece seu corpo como ninguém, é essa tal de Miroslava.

E como eu sei que tem amiga-leitora doida por um “momento copycat” da Miroslava, montei um facinho, facinho. Enjoy!

Vamos ver por quanto tempo dura o principado fashionístico de Mirona…

Páginas12345