D&G e a transformação do foulard

Esse post bem que poderia ser uma seqüência do look do dia , em que transformei um lenço em saia, já que o desfile D&G da primavera/verão 2012 nos passa justamente essa idéia:  dá pra transformar os foulards e afins em peças incríveis.

Duvidam? Só ver os principais looks dos desfiles. Tudo parecia ter sido feito através de amarrações, e as peças que não transmitiam essa ilusão usaram e abusaram das estampas típicas dos lenços. Caso da maioria longuinhos desfilados.

Acho que com um pouquinho de paciência dá pra treinar as amarrações e fazer muita coisa daí de cima, principalmente as saias e os vestidos curtos. Quem quiser tutorial ensinando, grita aqui que eu faço!

A Primavera/verão 2011 de D&G e Dolce&Gabanna

Meninas!

Finalmente vamos correndo, voando, para o que rolou na semana de moda em Milão.

E começou logo botando quente: vamos falar de D&G e Dolce and Gabanna. Os designers das marcas são os mesmos…mas as coleções…quanta diferença!

A coleção D&G, pra mim, se superou: sabe quando você simplesmente quer tudo que foi apresentado na passarela? Foi a impressão que eu tive, enlouqueci por tudo!

Sinceramente, até admiro a alta costura, mas gosto muito mais do que pode ser usado na rua; passa mais realidade, e se aproxima de nossas simple lives

Pois bem. A primavera/verão 2011 da marca mais parecia um bosque, com flores e plantas emergindo de cada peça de roupa que despontava na passarela: flores gigantescas apareceram em minissaias, shorts, calças, vestidinhos; as mais miudinhas estampavam longuinhos fluidos, mostrando que a tendência campestre fica por mais uma temporada lá fora.

E o xadrez Vichy? Sim, teve ele também, ali, em vermelho e branco, super clássico!

Mas nem tudo são flores. A marca brincou com vários tons lisos também: teve verde esmeralda, vermelho, pink, branco, azul celeste, bege, verde claro, amarelo limão (neon fica!), roxo, lilás, ai, ai, ai, difícil é não gostar!


As sandálias plataforma são um show à parte, concordam?

Já a Dolce &Gabanna exibiu uma coleção com muito, mas muito branco, e cambraia, mas muita cambraia. Parecia Réveillon em praia, sabe? Não que isso seja uma coisa ruim… ficou perfeito!

Os designers deram à renda e à cambraia várias facetas; Elas foram usadas das mais variadas formas: desde aquelas parecidinhas com toalhas de mesa de Caicó, àquelas que se assemelham à lingerie. Divino!

Mas não é só isso (Polishop mode on!): teve animal print, com aplicações de rendas e cristais…e teve floral, com renda filé. Mais parece uma coleção das rendeiras de Caicó. Tudo perfeitamente copiável para nosso verãozinho que desponta quente, muito quente por essas bandas do nordeste!

No que diz respeito aos comprimentos, estes foram do curtíssimo aos longos, que ornaram shorts, sainhas, e vestidos.

Quanto às formas, a dupla de designers focou na sensualidade, na feminilidade, modelando as formas femininas, como ninguém. Os tecidos? Guipure, macramé, filé, crochê…todas as variações de renda: silk, organza, chiffon, stretch chiffon, linen, linen organza, brocardos e outros mais.


Tentei me controlar até o fim desse post….agora já posso pirar?