Resumão S/S da semana de Moda em Paris, parte 2

E hoje finalizamos o post do resumão de Paris. Muita coisa linda que dá pra aproveitar agora(e no meu caso, o ano inteiro), em tempos de alta temperatura.

Balenciaga/Chloé/Dior/Gaultier


Balenciaga: um certo ar masculino rondou a passarela da Balenciaga; Tomboy mesmo. Oxfords, alfaiataria, casacos, camisas masculinas…a amenizada no aspecto “homemzinho” foi dada pela estamparia de flores e tecidos delicados. O mais legal que vi no desfile foi a presença do xadrez pied poule(tipicamente invernal), em pleno verão. Ou seja: não existem mais regras na moda.

Chloé, sua linda, que desfile, hein? Cortes femininos não-piriguéticos, elegância, e graça foram marcantes no desfile. Aliado a isso, elementos esportivos e estilo utilitário, mas, cadê a feminilidade nisso? Nos tecidos empregados, principalmente a transparência. Destaque para os vestidos bem estilo bailarina, espalhando uma tendência que eu falei há um tempinho aqui no blog.

Dior: o lugar? Polinésia nos anos 40. As pessoas? Turistas que amam cores berrantes, mas que também adoram o estilo pin up de ser, à la Betty Page. E deu navy, muito navy na cabeça. E John Galliano deixou isso bem evidente, com a aparição das “jeuns marins” trajando quepes de marinheiro e jaquetas oversized. Uma coleção que exala maresia, cruzeiros, leveza e elegância! Os comprimentos eram mini para saias, vestidos e shorts. Calças amplas, largas e bem boyfriendianas. Vestidos longos também deram seu ar da graça.

Eu adoro Jean-Paul Gaultier; autêntico, excêntrico, e sabe como ninguém surpreender nas passarelas. A abertura do desfile com Beth Ditto antecipou o que estaria por vir: um ar punk, transgressor, que buscou nos anos oitenta um estilo bem Joan Jett. O resultado foram cropped jeans, blazers estruturados, skinnys de lycra, e meias rendadas, why not?

Mcqueen/Colette D.


McQueen era muso, e deixou muitas fãs da marca orfãs com sua morte prematura. A parte boa disso tudo é que Sarah Burton, que ocupou seu lugar e foi sua assistente por 15 anos, aprendeu muito com o mestre, e para melhorar, deu um toque feminino às criações da marca.  Digo que não gostei apenas desse traje paquita da primeira foto; os outros modelos me conquistaram, principalmente aqueles que mais pareciam galhos de árvores trançados no corpo, só que dourados, brancos…lindos mesmo. Os comprimentos foram ou muito curtos ou muito longos. As cores mais presentes foram branco, dourado, bronze, estampas com vermelho escuro e dourado, e preto.

Logo na fileira de baixo, tive que colocar a coleção da Colette Diningan pra vocês visualizarem o quão foi veranil…feminina, leve, e jovem, a coleção mostrou peças cheias de frescurites que tanto amamos, como laços, florais, e tecidos pastéis…adorei!

Dries Van Noten/Nina Ricci/Ungaro


Dries Van Noten mostrou uma coleção prática; pegou a danada da mulher alfa, e transportou para sua coleção, dedicada às bravas frágeis, sedutoras mágicas, com um pequeno toque masculino. Dúvida? O que dizer da camisa de corte masculino feita de tecidos fluidos, super mulherzinha? E da camisa que a gente rouba do bofe e faz uma saia? Bom pra tentar fazer em casa! Os comprimentos foram predominatemente abaixo do joelho, e longuinhos.

Ninaaaaa, uma coleção de ares “francesinhas fresquinhas” comedoras de macaron! Mas querem saber, EU AMEI! Babados, shortinhos bufantes, sapatos bonecas, transparências, enfim, girlie total!

Ungaro apresentou uma coleção meio Rodarte Feelings; a atmosfera que mais parecia um funeral, e não um desfile de primavera/verão. Particularmente não gostei, acho que pelas flores, parecidas com coras de velório. Sem dúvida, as peças mostradas exaltam a feminilidade, mas os drapeados, penas e rendas, não me seduziram.

Elie Saab


Confesso que tive vontade de colocar TODAS as fotos do desfile da Elie Saab pra vocês, tava tudo lindo de viver!

A coleção resgatou o glamour setentinha e apresentou peças ora estruturadas, ora vaporosas, mas todas ultrafemininas. As roupas refletiram o clima provocante e elegante, de um tempo em que o glamour e o estilo marcavam cada aparição. Macacões, vestidos curtinhos, longuinhos, ternos estruturados, a cor azul, salmão e nude certamente seduziram muita gente. Aguardemos para ver muitas celebs de Elie Saab nos próximos dias…

Miu Miu/G. Valli

Giambattista Valli deixa explícito 3 tendências: animal print, transparência e flat shoes. E é só isso que importa relatar para vocês já se prepararem pra bombar muuuito esse ano!

E quem não sentiu um clima de “roupa do Elvis” com essa coleção da Miu Miu? Na hora, quando vi os casacos com estampas duplicadas em cada ombro, me veio à cabeça o Rei do Rock…e me deu febre…febre setentinha novamente. Nas estampas, saem as gaivotas e seres humanos, e entram estrelas, conchinhas do mar, e outros animais. Pra ficar de olho, meninas, pode vir uma febre de estampa de estrelas por aí…

Isabel Marant


Eita que Isabel Marant mereceu um quadro só dela no blog! Amei de coração o estilo mostrado na passarela, embebido do espírito oitentinha, com direito a ‘Holiday’ da Madonna rolando no vai e vem das modeléticas(modelos esqueléticas). Regatinhas de tela, pólos, calças coloridas, sainhas, e o espírito colegial imperaram soberano. Senti algo como preppy-folk, é isso, auditório? Quero tudo!

Paul&Joe


Paul and Joe injetaram o espírito setentinha na passarela: vestidões, saiões, blusas cropped, e flaired pants nos remetem imediatamente a uma época em que a liberdade era mais. Cores? Muitas, quanto mais alegres e acesas, melhor. Os comprimentos? Do médio ao longão(age of aquarius!)

Hermés/L.Vuitton/Sonia Rykiel/Stella McCartney

A coleção Hermès indubitavelmente nos leva aos Jockeys, onde  acontece a prática do turfe, chique, classudo, com freqüentadoras das altas rodas sociais. Isso fica evidente tanto nos modelos desfilados, quanto na atmosfera do desfile em si. Também, para uma marca que vende uma bolsa(com fila de espera) por mais ou menos trinta mil reais, não dá para esperar que a coleção desejasse atingir outro público, né? Mas como a gente não é besta nem nada, fica a dica das cores-tendência: caramelo, hazelnut, mahogany, vermelho sangue, e laranja! Copiemos, amigas!

Marc Jacobs é fechoso, todo mundo sabe. Maximalista ao extremo, exibiu uma coleção onde as cores eram fortes, intensas. Exemplo: amarelo, violeta, cobalto, vermelho ruby, verde, fuchsia e turquesa cjamaram a atenção de quem assistia ao evento. Isso sem falar na sala à meia-luz, na passarela reluzente, e na cortina de renda que se fechou ao término do desfile. Espetáculo de MJ, mais uma vez.

Sonia Rykiel mostrou uma tendência que apareceu em quase todos os desfiles, e fica a conclusão: verão de cores fortes, por tempo indeterminado. Detalhe para o novo comprimento da saia, abaixo do joelho.

E por fim, O que falar de Stella McCartney? Essa moça que tá me deixando sem unhas nas mãos por causa do lançamento de sua coleção para a C&A, mostrou o que ela mais sabe fazer, um estilo “britânico descolado”. Cortes impecáveis, visual clean, muito chambray e jeans, e pra quebrar a monotonia estampa de frutas tropicais, eita! Stella é refinada sem ser fresca, irreverente sem ser escrachada, acima de tudo, prática.

Pronto, meninas, estamos quites com o desfecho do resumão de Paris! Cansei, mas gostei!


4 Comentários para “Resumão S/S da semana de Moda em Paris, parte 2”

    Gravatar Helena
    16 fevereiro 2011

    Rose, você arrasou! Que post mega lindo com todas as variadas tendências que virão. Tem opções para todos os gostos e todas as ocasiões. Seu blog está lindo, todos os posts super bem escritos, com informação e humor bem equilibrados. Adorooooooooo.

    Rose Reply:

    Helen, vou morrer com tanto elogio!
    Mas vamos preparar nossas listinhas das tendências, pra titia fazer vários modelitos, e andarmos antenadas por aí!
    Tu Arrasa!
    Bjos!


    Gravatar Helena
    16 fevereiro 2011

    Só pra constar, amei a isabel marant!


    Gravatar Giovanna
    16 fevereiro 2011

    amei seu resumo!!
    apaixonei com todos os desfiles


Deixe seu comentário