Current Obssession: gola Peter Pan

abPPan

Clássico é atemporal, a gente sabe bem. Contudo, há períodos em que o clássico acaba ficando mais em evidência que o normal, não sei se por inconsciente coletivo, mas de repente a gente começa ver muita, mas muita gente usando determinada peça ou acessório por aí. Vejo que é exatamente isso que tá acontecendo com a gola Peter Pan, aquela com as bordas arredondadas: um estilo de gola atemporal, mas que de uns meses pra cá foi adotada pela turma fashionista, que desfila por aí com vestidos e camisas com esse detalhe maravilhoso!

A gola Peter Pan remonta à década de 20, e teve um resgate lá pelos idos dos anos 60, e em verdade, ela mais se assemelha às golas das roupinhas de bebê, que à gola da roupa do Peter Pan. Há mais ou menos uns dois anos vi muitas meninas usando como uma peça em separado, um acessório mesmo incrementar o look, mas agora vejo que as próprias peças já são feitas com essa gola, coisa que gosto bem mais. Eu passei pela tendência da golinha em separado, não curti, e sabia que ela não duraria muito. Contudo, uma peça confeccionada com essa gola é outra história, dá pra usar hoje, daqui a cinco anos, ou daqui a dez anos. Como disse lá em cima, a depender do tecido, da cor e do modelo, uma peça com gola Peter Pan se torna um clássico.

E pra gente pegar dicas de como usar uma peça com esse modelo de gola juntei vários looks e já adianto um truque: incrementar o look com gravatinha feita de fita de veludo, ou uma rosa estilo a camélia da Chanel fica um charme!

Outra dica boa para usar os vestidinhos estilo Wandinha da Família Adams(que têm gola nesse estilo) sem ficar caricato é combinar com acessórios moderninhos, fica lindo!

SelecPpan

E aí, quem já tem sua pecinha com gola Peter Pan pra chamar de sua? Eu tenho algumas e amo, como essa camisa desse look AQUI.

6 looks que vão te fazer adotar os brogues flatforms como sapatos da vez

Vou confessar pra vocês: desde que vi os desfiles de Stella McCartney, Prada, e Miu Miu que não tiro da cabeça os brogues flatforms, aqueles oxfords de solado mais alto e retinho, com uma vibe anos 2000 pesada. Eles podem parecer estranhos à primeira vista, mas eu acho esses sapatos tão básicos e chiques ao mesmo tempo, que encasquetei que quero um par pra chamar de meu; Porém, não desejo qualquer par, quero metalizado pra servir de peça statement no meu look.

O modelo mais massa que vi dos brogues foi o Elyse, da Stella McCartney, com entressola de madeira, e estrelas recortadas em couro, mas há muitos exemplares legais por aí, inclusive alguns com plataforma reta e mais baixinhos, pra quem não quer andar com aquele saltão estilo Spice Girls. Realmente, são sapatos que fazem a diferença em qualquer look, acho legal ter um no acervo, principalmente para sacá-lo da manga quando a gente não tá com muita criatividade de montar look.

Digo que eles são ótimos para os dias sem criatividade porque eles, enquanto acessórios statement, não pedem muito esforço pra elaborar o resto do look; as composições mais legais que vi com brogues combinam os sapatchinhos com jeans e cropped, chemisiers, vestidinhos bem simples, top e saia de fenda, macacões, quase nada de acessórios. Magina num dia de pressa você só precisar de uma camiseta básica, ou top, um jeans legal skinny, e PÁ, brogues metalizados? Pode ter certeza que você chega chegando, sem ter gasto quase nada de fosfato pra se montar!

E como sou de provar o que digo, separei 6 looks com brogues que vão te fazer correr nas lojas online, e comprar um par de oxfords flatforms pra chamar de seu!

brogue1

brogue2

brogue3

brogue4

brogue5

brogue6

Até agora no Brasil não achei nenhum que estivesse disponível na minha numeração pra comprar, mas já descobri vendedor no Aliexpress com um do modelo – e tamanho – que quero. Comprei e assim que chegar venho aqui com look montado pra mostrar pra vocês!

Beijos!

DIY express: wrap choker (dois estilos)

Chamando assim, pelo nome em inglês, muitos de vocês vão achar que não conhecem esse choker que tá dominando o tumblr e o pinterest . Mas se eu der “ibagens”, vocês vão saber na hora: sabem aquele colarzinho em couro, camurça, ou em rolotê de cetim com umas ponteirinhas douradas que a blogueiragem gringa tá toda usando? Pois bem, o nome dele é wrap choker; colar de amarrar, traduzindo ao pé-da-letra.

Assim que vi esse colar no snap da Danielle (blog who what wear) eu endoidei, porque ele tem uma pegada boho, e orna com vários outros colares, fazendo um #neckswag, como em algumas imagens que separei:

selectionwrapchoker Imagens: reprodução. Edição:DF

Como ainda não tinha achado nenhum exemplar no Brasil (e se tivesse o preço não seria tão agradável) fui no Centro da cidade, comprei o material, e montei dois modelos diferentes, que mostro num vidjinho rápido que vocês conferem clicando logo abaixo:


Fácil, né? Em poucos minutinhos cês já têm um colar estiloso! Ah, deixa eu falar, os vídeos vão voltar a ser regulares no blog, depois desse hiato em que a pós me jogou, tô voltando com surra de  DIY. Portanto, já vão mandando sugestões no e-mail e nos comentários por aqui!

Girl Power: remake de Wannabe feito pelo Projeto Everyone

E no ano em que o lendário hit das Spice Girls, Wannabe, faz 20 anos (eita que tô velha!!), eis que o Girl Power ressurge em um vídeo feito pelo Projeto Everyone, com a missão de alertar ao mundo sobre questões de igualdade de gênero.

Sob a hashtag #WhatIreallyreallyWant, o vídeo, produzido pela Getty Images com a SAWA, reproduz cenas inspiradas no clipe original com reivindicações das mulheres ao redor do planeta, ou seja, o que nós realmente, realmente queremos. Para a tristeza dos machistas-clichê, e das meninas que reproduzem machismo,  nenhum dos “mimimis-padrão” deles tá dentre as reinvidicações. Contrariando quem pretende desmerecer a luta de mulheres ao redor do mundo - reverberando um protótipo tosco que só existe na cabeça de gente que não raciocina - o movimento busca, DE VERDADE, igualdade de gênero, o que passa por condições salariais equivalentes ao dos homens, proibição do casamento infantil, fim da cultura do estupro,  e direito à educação, dentre outras questões igualmente relevantes. É isso que o vídeo traz.

O filminho foi dirigido por MJ Delaney, produzido por Moxie Pictures, e reúne atrizes, cantoras, e dançarinas da Índia, África do Sul, Nigéria, Reino Unido, e os EUA (incluindo a superstar de Bollywood Jacqueline Fernandez e o trio M.O.).

“Isso é sobre o girl power moderno”, disse o diretor do filme ao The Guardian. “As Spice Girls eram um grupo de mulheres diferentes se unindo para serem mais fortes. Essas diferenças são o que queremos celebrar neste filme, mas ao mesmo tempo, mostramos que há algo que todas as mulheres em qualquer lugar do mundo realmente, realmente querem.”

Victoria Beckham achou a iniciativa “maravilhosa”, e acrescentou “o quão fabuloso é o fato de que, após 20 anos, o legado do Girl Power das Spice Girls vem sendo usando para encorajar, e empoderar uma nova geração inteira?.”

Agora, chega de falatório e vamos apertar o play:


 

Todo o retorno de #Whatireallyreallywant será apresentado aos líderes mundiais na Assembléia Geral da ONU em setembro deste ano.

Eu amei a iniciativa, principalmente por ter vivido o Girl Power de vinte anos atrás, e ver que as meninas da nova geração estão aí pra causar, o Girl Power reloaded vem mais forte!

Velvet Obssession

veludoabert

Eita que a imersão nos anos 90 tá grande, viu?! Depois do vestido camisola, vou falar um pouco com vocês sobre o veludo, que de repente pipocou nas passarelas lá fora (Tommy Hilfiger, Alberta Ferretti, Armani,  Gucci, Prada…), e ganhou leitura própria no street style. Digo isso porque as passarelas trouxeram peças mais clássicas em veludo, com forte influência dos séculos passados, e as ruas trouxeram uma versão mais cool, usável, ora puxando pros anos 90, ora com um pé no bohemian, o que, diga-se de passagem, me agrada muito mais.

O veludo pode dar a impressão de que é um tecido difícil de usar mas, como disse, é só impressão. Escolhendo a peça certa, uma cor legal, combinando com os acessórios certos, não tem perigo da gente sair por aí parecendo forro de caixão, no way! E o bacana: uma peça confeccionada em veludo se torna atemporal, podemos passar anos usando, não dá pra se desfazer porque quanto mais os anos passam, mais legal usá-la como uma referência na montação! O veludo não é só tendência, eu considero bem mais que isso, é estilo, quem ama veludo, ama sempre.

Outro mito que é missão desse blog quebrar é o de que veludo só pode usar no inverno, em regiões onde o frio pega de verdade. Desagarrem dessa ideia, dá pra usar de boinha um top de veludo, por exemplo, no nosso inverno nordestino, com um shortinho jeans! Vestidinho curto também! Saia lápis, essa é que dá mesmo! Kimono, esse é que dá, estilo gata do Coachella, com vários colares, camiseta surrada, e shortinho jeans! Lembrem, não existe regra quando se joga personalidade no look, você, seu estilo e seu bom senso é que vão dizer a forma com a qual será digerida a tendência.

Resumo da ópera: se joguem, mas antes vamos dar uma espiadinha nos looks inspiradores que coletei pra dar uma mãozinha na montação com peças em veludo?! Espero que gostem!!!

Boardveludo

Só mais duas coisas: esse kimono rosé, e essa calça pijama cinza, minhas obsessões para o momento!

Beijos,

Rose.

Testei: Sweet Sweat Workout Enhacer

absweetsweat

 

Eita que hoje vou falar sobre um dos produtos que vocês mais me pediram pra resenhar!! Vamos conversar um pouco sobre o Sweet Sweat Workout Enhacer?

O Sweet Sweat, consoante descrição da marca, é um termogênico em gel, sem contra indicações (exceto quem tem alergia a algo da composição, ou problemas coronarianos, etc…consultem um angiologista, endocrinologista, ou dermato antes de usar) que promete potencializar a queima de calorias nas regiões onde é aplicado, através da vasodilatação. Segundo a marca, deve ser usado de preferência enquanto estamos nos exercitando.

O produto promete ainda:

• Aumentar a circulação na região em que se aplica o produto;

• Deixar a pele mais fina;

• Retirar o excesso de água na região aplicada (aspecto de inchaço);

• Estimular suas glândulas sudoríparas para liberar toxinas acumuladas;

• Ajudar contra lesões.

Muito embora o fabricante fale que ele tem textura em gel, eu acho mais com jeito de creme, um creme leve, mas ainda um creme:

Ssweatzoom

texturasweetsweat

Antes de falar o que penso do produto, importante observar a composição, principalmente porque algum de vocês pode ter reação alérgica a algum deles, mas, pelo que vejo, os ingredientes são tranquilos, basicamente a pasta de petrolato (tipo a da vaselina), e muitos compostos naturais, como óleo de coco, açaí, romã, jojoba, vitamina E. Ou seja, nada pesado:

Ssweatcomposição

Mas essa mistureba funciona? Primeiro, vamos esclarecer: gente, não existe milagre, não existe produto que você passe hoje, e amanhã esteja seca, não tem. Porém, tenho usado o Sweet Sweat há alguns meses (8, 10 meses), e posso dizer que, aliado ao exercício físico, e reeducação alimentar, ele potencializa SIM o metabolismo nas áreas onde é aplicado. Passei minha vida toda tentando resolver a bronca da gordurinha na lateral da cintura (aquela que marca com calça baixa, calcinha, que faz duas cinturas na gente hahaha), e só com esse produto consegui afinar. Ele de fato faz a gente suar muito na região aplicada, e se botar a cinta de neoprene (que eles recomendam que a gente use sempre, mas eu só uso quando faço atividade física em casa) parece que a gente saiu de uma sauna. O produto é punk!

CintaSweetSweat

Portanto, de forma visível, e enquanto consumidora leiga na parte técnica, percebi que o produto funcionou comigo. Da descrição deles, posso apontar com certeza que o Sweet Sweat, em mim: fez suar mais que o normal, reduziu efetivamente medidas, e no dia seguinte ao uso do produto fica parecendo que fiz drenagem, o que me levanta a suspeita de que ele também elimina toxinas da região em que foi aplicado.

Trocando em miúdos: SUPER RECOMENDO!

Agora vem a parte ruim: o preço. O Sweet Sweat no Brasil custa em torno de 200 reais, desse meu, em forma de bastão. Nos EUA, em torno de 33 dólares, uns 90 reais mais barato que aqui. O pote, com maior quantidade que o bastão, custa 49 dólares fora, e deve durar horrores, porque meu bastão tá durando, magina um potão de produto!

Pra quem se interessou e quer adquirir no Brasil, tem o site da marca AQUI, e tem um amigo meu no instagram @mundosuplementtos que vende num preço bem honesto, e entrega no país todo. Lá fora, tem a RICKYSNYC, e a loja da marca, só clicar AQUI pra acessar; vale a pena pedir pra uma amiga trazer, ou se você tiver fora, compre pra não se arrepender!

Bom, dado meu relato sobre o Sweet Sweat quero saber de vocês se já usaram, e sentiram diferença, comentários abertos, valendo!

Beijos,

Rose.

Páginas12345678... 196»