Karla Deras, o Capsule Wardrobe, e o Consumo Consciente

Lembram de Pollyanna, aquela menina  que sempre enxergava o lado bom  das situações ruins que lhe ocorriam? Pois bem, eu acho que a gente, principalmente nesse período turbulento pelo qual estamos passando economicamente, tem que ser um pouco dessa menina. Digo “um pouco” porque não dá pra ser 100% otimista; é preciso ter lucidez, e realismo, mas ao mesmo tempo enxergar que algumas lições podem sim ser tiradas de todos os momentos de nossas vidas, sejam eles bons ou ruins. Trazendo essas minhas conclusões para o campo do consumo, eu gostaria de fazer uma pergunta inicial cuja resposta vou discorrer ao longo desse post de hoje: você usa todas as roupas que compra? Só mais outra: você precisa comprar toda coleção que as lojas despejam a cada temporada porque blogueira A ou B postou na seção “minhas escolhas”?

Se a gente parar um pouquinho de viver no automático, guiada pelo Instagram, e raciocinar, vai chegar à conclusão que com algumas peças-chave é possível multiplicar looks, e fazer produções bem mais autênticas que aquela montação fake que a gente anda vendo bastante ultimamente em terras emergentes.

Não vou negar que amo ter opções variadas no guarda-roupas, mas de uns tempos pra cá andei me livrando de muitas peças; desde o começo do ano tenho feito limpezas constantes, doando itens que estavam encostados, e fazendo algumas compras que julgo mais conscientes. Eu tenho uma queda pelo slow fashion, e então o fato de titia costurar tem me ajudado a pensar em que tipo de peça quero no meu armário, e qual estilo quero construir, indo na contramão do ritmo frenético das coleções, e compreendendo o papel que a peça única, pensada, desenvolvida, e concebida só pra mim  desempenha na minha vida.

 Também aprendi nesses meus devaneios sobre estilos que a “montação” não precisa ser tão “montação” assim; me vestir de um jeito legal exige raciocínio, razoabilidade, e não passa por NÃO REPETIR ROUPA. Jamais! Gente, repetir peças de roupa não tem nada de errado, nem ter dinheiro pra comprar roupa toda semana nova também. Afinal, um bom capsule wardrobe consiste em ter poucas peças que se multiplicam nas várias combinações que se pode fazer com elas. Peça legal se repete, mas se reinventa, e uma das blogueiras que prova toda essa minha ladainha (eu amo desabafar com vocês gente, não sei fazer post curto) é Karla Deras, do Karla’s Kloset. A beesha posta looks do dia repetindo peças constantemente, mas coordenando de forma inteligente, e o resultado é uma infinidade de composições que enche nossos olhos e nos inspira.

Fiz uma coleta de looks com peças que ela repete pra gente dar uma olhada, e, principalmente, tomar umas lições de como fazer uma produção legal com peças simples, enxutas, e repetidas.

REGATA BRANCA

A regata branca é um multiplicador de look, fato, e Karla Deras mostra como sair do básico até produções mais elaboradas com a regata branca participando da composição.

KDregbranca

SAIA LÁPIS PRETA

A saia preta é um clássico; um guarda-roupas com várias possibilidades e poucas peças deve ter uma saia lápis, que tranqüilamente passeia do look sexy para o mais esportivo sem problemas. É uma peça versátil, com certeza, e Karla sabe disso:

 KDskirt

CALÇA UTILITÁRIA

Eu sou chocada como Karla Deras consegue dar um toque sexy a uma calça utilitária, estilo cargo. Minha gente, sério, fico desejando essa peça toda vida que ela veste, e ela veste constantemente. Me parece ser uma das peças preferidas da blogueira:

 KDpantsut

CAMISA BRANCA OVERSIZED

A camisa branca é outra peça que é muito legal ter no armário, por nos dar várias possibilidades de combinação, basta ter na manga alguns truques de styling: usar amarrada, só um pedacinho dela por dentro da roupa e outro solto, transpassada…ah, você não tem uma camisa branca, nem tá podendo comprar? Olhem do outro lado do guarda-roupas, na parte do boy, você certamente vai achar uma lá pra pegar emprestado e arrasar no camisão oversized, super bombado entre a galera fotografada nos blogs de street style! A da Karla tem uma modelagem maior do que a que ela veste, certamente peça do boy, ou comprada grandinha pra fazer o estilo boyfriend shirt.

 KDwhitesh

CALÇA OFF WHITE

Essa calça off white em crepe de Karla quase anda só. Com essa peça ela looks mais clean, enxutos, e lindos. A gente tem um costume de achar que calças em crepe são só pra meninas que curtem uma produção mais informal, mas vejam esses looks com top cropped que lindos? O exercício é esse gente, testar várias combinações, adaptações pras peças que temos!

 KDoff

CALÇA FLARE BRANCA

Ah, a calça flare…por mim eu só tinha calça flare e destroyed…ambas permitem várias possibilidades de looks, e a calça flare branca traz pra composição um quê de clássico, é atemporal. Karla também percebeu isso e quase sempre posta fotos com a calça:

KDflarewh

 

 Como eu gosto de provar por A + B o que falo (sou advogada, gente, não tem como não ser assim), vamos fazer as contas aqui: a partir de seis peças que enumerei acima, Karla gerou VINTE E CINCO LOOKS, e olhe que ela nem chegou a esgotar as possibilidades dos usos para as peças-chave que enumerei. Então, fica a lição aqui: que tal aproveitar esse período de vacas magras, dar uma freada no consumo exagerado, e fazer economias para fazer compras mais conscientes? Investir em modelagem, pesquisar bem o que vai comprar e se vale a pena comprar? O bolso agradece, a natureza agradece, e a economia também.

Moda e sustentabilidade: compatibilidade ou linhas paralelas?

Não, esse não é mais um post ecochato. É apenas uma troca de ideias, algumas palavrinhas soltas ao vento, e somente isso.

Talvez para quem sempre teve tudo à mão, fácil, o que escrevo por aqui não faça muito sentido, mas quando a gente não tem todas as vontades satisfeitas, digo, vontades consumísticas, acaba tendo que se virar nos trinta, apelar para a criatividade, e olhem que bacana, de quebra ainda nos inserimos no contexto de um estilo de vida sustentável. A falta de money nos faz ir à batalha, trabalhar o cérebro, e criar.

Ora, se eu não posso comprar um shortinho desbotado de R$ 200,00, vou reaproveitar minha calça jeans velha e customizar, certo? Fez obra em casa, e sobrou porca? Que tal criar uma pulseira? A camiseta ainda dá pro gasto, mas abusou do formato dela? Antes de ir à loja e gastar algumas Dilminhas, será que não dá pra cortar, pôr umas correntes, ou mesmo usar a técnica do dip dye nela? Seu bolso agradece, o planeta agradece, e seu cérebro também.

Apenas a título de ilustração, selecionei umas coisinhas muito legais pinçadas do Pinterest, e que mostram que a inventividade humana não tem limites, além de deixar claro que nunca foi tão na moda reciclar, transformar, adaptar, reinventar, e recriar um guarda-roupas, e acervo de acessórios criativos, deixando de lado essa pasteurização tão chatinha que nos empurram todos os dias na malfadada indústria da moda.

Vale conhecer, e tentar fazer em casa. Eu já fiz várias, aliás, sempre fiz desde menina, é um exercício para minha mente, onde mil ideias passeiam ao mesmo tempo, o tempo todo.

Beijos pra quem engoliu o acento agudo do “e” no também :)

Imagens: reprodução

Batendo a vontade de fazer tudo isso em 3, 2…

Não provoque!

Tô voltando pra casa, thanks God! E como toda mudança requer uma “derrama” pra fazer a energia circular, comecei a retirar várias roupas para doar (novamente), e descobri outras tantas que dão um bom caldo.

E desse grupo dos recicláveis, acabei encontrando uma saia minha, na altura do joelho, que eu pedi pra titia fazer pra mim quando tinha uns 14, 15 anos. Era leitora assídua da Capricho, e nessa revista tinha uma foto de Cleo Pires(ou a prima doidona dela, Rafaela, não lembro bem) com essa saia, um tomara-que-caia, e coturnos(?). Claro que usei horrores desse jeito, mas hoje em dia o modelo não tem mais graça; tentei com camisa, t-shirt, e achei meio Cleycianne. E o jeito? Deixar curtinha, e aproveitar mais um tiquinho!

O mais mara dessa redescoberta que fiz foi saber que a sainha tá no momento dela. É rosa neon, portanto, é certeza de que vai sair do armário reiteradas vezes até o fim do verão, ou seja, temos aí mais uns oito, nove meses pra usar bem muito. Bom, né?

Mas chega de muito papo e vamos aos créditos:

Camiseta – Marisa

Saia – Tia Alice (quem quiser encomendar uma, não garanto a mesma cor porque né, mais de dez anos,só mandar e-mail para [email protected])

Sapatos – Santa Lolla

Corrente – Renner

Carteira – Ebay

Pulseiras – Ebay

Sou só sorrisos com minha velha saia nova.

Organizadores de bijuterias (criativos e com baixo custo)

Não, eu não vou mostrar pra vocês aqueles organizadores que a gente manda fazer no marceneiro (até já postei no blog uma vez, já saturou). Dessa vez, a sacada é – com um pouco de criatividade, e com baixíssimo custo – bolar sozinha um em casa.

Não conseguem?

Impossível, colhi tantas ideias legais, que até quem não é adepta do “faça você mesmo” vai conseguir bolar um organizador bacana para os colares, pulseiras, e afins que ficam bolando pela casa por falta de um lugarzinho próprio.

Ora, não é preciso muito, há quem consiga com apenas um cabide, e ganchinhos (que vendem em qualquer loja de material de construção), organizar os colares; também tem aquelas que, olhando uma moldura vazia, tiveram a brilhante ideia de decorar a casa com suas bijus, colocando-as dentro da moldura ganchos, e pendurando pela casa. E o ciscador velho, joga-se fora? De jeito nenhum! Ele virou porta-colar, claro!

Gente, queria dar um “cheiro” em que teve a sacada de fazer da janela velha organizador de bijus, sério, ficou muito massa! Se eu tivesse visto isso antes, das janelas da minha casa, que foram todas jogadas fora, tinha pego pelo menos uma pra aproveitar :(

O bom é que, além de soltar a imaginação, e de economizar bastante, a gente ainda dá uma lição de sustentabilidade, já que boa parte dos materiais com que são criados os organizadores que selecionei acima são fruto de reaproveitamento. Bacana, né?

Se empolgaram? Mãos à obra, então!

Comprando sem errar: checklist básico, pra abastecer o guarda-roupas com peças maravilhosas!

Não restam dúvidas: mulher gosta de comprar, bastante, não importa de qual classe social ela seja. E roupa então,…ihhh…

Ora, atire a primeira pedra que não errou a mão numa liquidação, e trouxe peças que, ao chegar em casa, ficaram aquela tristeza. Resultado? Encostada no armário para todo o sempre.

E o post de hoje justamente tem a intenção de mudar um pouquinho essa história. Aproveitei o gancho da fase de liquidação nas lojas, pra gente criar um tico mais de consciência, e só levar pra casa o que realmente favorece nosso corpo. Se esse checklist for levando à risca, não vai dar outra: o armário até pode não ser cheio de peças, mas terá poucas, e muito boas, deixando a gente muito à vontade para pegar qualquer uma delas, e ter a certeza de que o resultado vai ser muito bom.

Vamos às perguntinhas básicas, que a gente tem que se fazer antes de gastar o rico dinheirinho nas lojas tentadoras, e também não cair no papo da vendedora de que tudo “ficou liiiiiiiiiiindo em você!!!”:

Pra pôr em prática hoje mesmo.

Capsule wardrobe: o que come? Onde vive? Como se prolifera?

Não, não é uma chamada do Globo Repórter, mas bem que poderia, até pra gente saber mais sobre esse trocinho que eu soube o que era um dia desses, e que facilita demais nossa vida.

Acho que vocês devem estar lembradas de um dia, em um dos posts sobre organização do guarda-roupas(esse daqui) eu ter prometido falar um pouquinho sobre capsule wardrobe. Tá, faz um tempo da bexiga, mas antes tarde do que mais tarde ainda, não é verdade?

Pois bem, vamos ao que interessa.

Capsule wardrobe, traduzindo ao pé-da-letra significa “armário capsula”. Na mesma né? Bem o capsule wardrobe consiste, basicamente, em organizar as roupas em pequenos grupos que combinam entre si, reduzindo, portanto, o nosso tempo de procurar por pecas no armário que ornem umas com as outras. O resultado é matemático. Vocês se lembram da análise combinatória? Pois bem, essa é a lógica do capsule wardrobe, que pode ser organizado para a semana inteira de trabalho, para certas ocasiões especiais, ou para viagens, por exemplo.


Mas, na prática, como é esse babado?

De antemão já digo que o babado não é fácil no começo, não mesmo. Requer paciência, mas quando a gente pega a prática, o negócio facilita nossas vidas. Fiz uma listinha de dicas pra ver se vocês se empolgam, e me contam depois se deu certo.

Simbora!

1 – Os grupos de peças podem ser compostos de 5 a 12 itens, por exemplo. Com essa quantidade, dá pra se chegar a vinte, ou até mais combinações;

2 – O capsule wardrobe pode ser separado por ocasião: lazer, viagem, trabalho…;

3 – Tente equilibrar, na quantidade de peças escolhidas para formar o CW peças neutras e coloridas, nem muito da primeira turma pra não cair na monotonia, nem muito da segunda pra não cair no exagero visual;

4 – Peças básicas e clássicas são muito bem vindas no CW, amplia o leque de possibilidades na análise combinatória de looks;

5 – Procure harmonizar as peças da CW, evite que elas “briguem” entre si;

6 – Não repita a peça no mesmo grupo, exemplo, duas calças pretas. Se a ideia é ampliar possibilidades, não há razão para colocar duas peças parecidas no mesmo lugar;

7 – Outra dica bem válida é ir fotografando os looks no espelho e ir arquivando, mas só se vocês tiverem com paciência e tempo giga;

8 – Agora, a prática mesmo: pra começar a criar sua CW escolha três peças, consideradas básicas: blazer ou cardigã ou jaqueta, uma saia, e uma calça;

9 – Depois, mais três peças da parte de cima do look que combinem com o trio acima. A regra aqui é dar uma variada: uma camiseta, uma blusa clássica lisa, e outra estampada;

10 – Escolha ainda um vestido, ou um conjunto(esse dá mais possibilidades, já pode se descoordenar para combinar com outras peças);

11 – Além disso, e pra concluir com sucesso a missão, vamos aos calçados e acessórios. Selecione colares, pulseiras, ou cintos que combinem com o grupo formado, e escolha dois calçados, um mais clássico, e outro à sua escolha.

Pronto, formado nosso primeiro capsule wardrobe. Vamos ver como ficou a escolha das peças?

De cara, com as oito peças acima, montei mentalmente umas vinte combinações. Massa né?

Resultado: capsule wardrobe vale muito a pena, tô doida pra montar com minhas peças, mas só quando elas forem desencaixotadas da mudança porque tá osso, tô visualizando nada que eu tenho!

Páginas123