Devaneios da semana: Vans Hello Kitty

Não, não é que eu não tive infância, é que ela parece se perpetuar. E sim, tô desejando muito a coleção nova da marca Vans, que trouxe mais uma vez a gatinha sem boca pra estrelar seus tênis.

A parceria Vans/Sanrio(Hello Kitty) deu tão certo na primeira leva, que está prestes a chegar nas lojas uma segunda, com cada tênis lindo, que armaria, nam, quero nem pensar. Eu curto muito tênis: já passei por Redley, Mad Rats, e tô obcecada por um par de Vans pra chamar de meu. Isso é sério, já fiz lista de desejo, e nos próximos dias certamente estarei com um par HK por aí…

Só para matar do coração as fãs de Hello Kitty – e de tênis – segue alguns modelos que achei no site, uns já conhecidos, outros, uma prévia do que estar por vir:

Queria muito todos, mas nem tudo que se quer, se pode ter, me conformo com um parzinho…e vocês já têm um preferido? Me contem!

Sim, achei uma loja virtual que vende Vans, a Convexo(clica AQUI pra ir lá dar uma olhada).

Eu também achei outra com alguns modelos HK da coleção passada, assim que achar o link colo aqui pra vocês, tá?

Devaneio da semana: tênis com camélia Chanel

Meu nome é Rose, e eu sou viciada em tênis; pode ser sneakers, Converse, Adidas classicão, Nike neon, não importa, amo todos. Ora, quer calçado que traga mais conforto que tênis? acho que nem as sapatilhas são tão legais quanto eles.
E o post de hoje, como vocês podem ver, vai ser sobre tênis, mas não qualquer tênis. Tô falando dos tênis com aplicação de camélias da Chanel, lindos, maravilhosos, sonho total!
Só pra vocês sentirem o drama, olhem que belezura:

20130307-224450.jpg

O pior de tudo é saber que não existirão réplicas nas vitrines nacionais…infelizmente. O que me resta, então, é sonhar, sonhar…

Tags:

0

Fause Haten, chic é você!

Agora, pela manhã, cedinho, vi minha amiga Klécia compartilhando algo que merece ser dividido com vocês. É uma resposta elegante de Fause Haten a Gloria Kalil, e eu muito me identifiquei com o que ele disse, principalmente por ter guardado, dentro do meu livro 1984 de George Orwell, um rascunho de post que combate o fenômeno “cagarregrismo”, que se resume na imposição por blogs, mundo da moda, e por pessoas como eu, como você, de regras no vestir, no agir, enfim, querem que você viva uma vida consoante uma lei ditada pelo outro. Quando eu achar, juro que posto pra debater com vocês, porque ficou muito bacana.

Mas, por ora, deixo a resposta mais que fina do Fause como reflexão pra todo mundo que, mesmo rapidinho, passa por esse blog.

Lembrando que não vou entrar no mérito de outras atitudes dele, ou ainda no fato de ele ter se chateado com a crítica, o escrito abaixo se aplica a muita coisa que ando vendo por aí, e bem por essa razão colo agora aqui no blog:

Cara Glória Kalil,

Em resposta aos comentários que o seu blog faz sobre o meu desfile apresentado na ultima segunda feira, gostaria de lhe dizer, que existem sim muitas mulheres com desejos de cor, exuberância e transparência. Elas estão por toda parte, pode haver uma aí do seu lado agora. O mercado de moda mudou muito, desde o tempo onde você era uma empresária. Realmente vivemos um tempo onde só empresários de coragem conseguem se manter. Nesse momento as marcas internacionais invadem nosso país e colocam empresas como a minha em um lugar muito delicado. Como empresária um dia você teve que encerrar suas atividades e se reinventou como jornalista. Conseguiu convencer a muitas pessoas que poderia dizer o que era certo e errado sobre moda e bom gosto.

Mas afinal o que é bom gosto nos dias de hoje?

Que pena… mais uma vez o mundo mudou, as regras não fazem mais sentido. O indivíduo hoje é mais importante do que a marca que ele usa. A informação ou a atitude de quem usa, vale mais do que onde se compra uma roupa.
A moda existe para libertar e não para castrar. O certo e errado, o in e o out que tantos veículos insistem em pregar, não fazem mais sentido. Um blog inocente de uma menina interessante, diz muito mais ao público do que um site de moda corporativo.
É uma pena que o seu site insista em olhar para o trabalho de um estilista brasileiro com ironia, seja ele quem for.
É uma pena que você como uma empresária não tenha respeito por um trabalho.
A minha coleção apresentada segunda feira é um trabalho de moda. Apresentado em um evento de moda.
Assim como todas as outras marcas uso os recursos que tenho para realizar esse show.
Meu trabalho no teatro eu apresento nos palcos. Sim, eu gosto de cores,; sim, eu gosto de mulheres sensuais; sim, eu mostro a vocês que vivem com seus olhares virados para a Europa ou a América, o que é o Brasil.
Existem clientes no Brasil todo que vestem e gostam da marca FH. Foi isso que manteve por todos esses anos trabalhando. Minhas roupas são mais do que um terno preto e uma sandália vermelha. Mas a vida é assim… somos todos diferentes e é isso que faz tudo mais interessante.
Sou um empresário que há 25 anos luto pela moda no Brasil. Sou um empresário que pago minhas contas rigorosamente em dia e gero trabalhos e salários para muitas famílias. O que eu mostrei naquela passarela é o que eu sou. O que eu sei fazer e o que eu preciso fazer.
Peço respeito comigo, com o meu trabalho, minha equipe e com minhas clientes.
Obrigado!
Fause Haten

Devaneio do dia, da semana, da vida: máquina de costura John Lewis

Vocês não têm noção do quanto que eu precisava compartilhar com vocês esse desejo, era tipo, inadiável soltar o post. Também pudera, vejam que fofuras as máquinas de costura da John Lewis, uma espécie de “Extra” das gringas.

O mais legal é que elas não são de brinquedo: com um tamanho um pouco menor que as Singers e Elgins da vida, ela abriga todas as funcionalidades de uma máquina de costura normal, e é perfeita para iniciantes, e iniciantes estilosas, porque olha, essa máquina pede até que a gente costure toda produzida no oclão hipster e lencinho pin up(foi assim que me imaginei costurando, coisas da minha mente mucho loca!).

Quanto custa ter uma belezura dessa em casa? 49 libras, dá uns 120 Dilmas, muito bom o preço, super acessível.

A tristeza? O site não entrega no Brasil, porque eu pagaria linda e loira os impostos todos certinhos pra ter essa maravilha enfeitando uma bancada de costura minha.

A torcida? Que marcas brasileiras se inspirem e acabem lançando uma similar. Nesse mundo do tudo-feito-e-nas-prateleiras-ao-alcance-das-mãos, vejo que é chegada a hora de incentivar o faça você mesmo, instigar as garotas do nosso século a curtirem costurar. Isso não faz da gente Amélias dos tempos modernos (ler 50 tons de cinza faz bem mais #minhaopiniãotá?). O hábito da costura, tão limitado aos porões do trabalho escravo das fast-fashion, e marcas de luxo, precisa ser reinventado, ter novo ânimo.

Acharia massa que houvesse um revival da costura, teríamos uma nova onda de  garotas inventivas, criativas, com personalidade (já que não se compra o pasteurizado, uniformizado, e mastigado), e mais, ligadas à sustentabilidade, uma vez que é possível, com a máquina de costura, recriar a partir de peças antigas, evitando o consumo desenfreado. O máximo, né?

Só pra vocês sentirem o drama, nesse link AQUI traz uma matéria do New York Times sinalizando que a onda já começou lá fora. É ver se chega aqui, pra mudar nossa mentalidade de país gastão emergente valmarchiorizado, onde o chique é vestir uma roupa e deixar a etiqueta de fora pra dizer quanto custou(tô metaforizando, vocês sabem do que falo).

Mas, enquanto isso não acontece, a gente vai costurando nas nossas branquinhas, e devaneando, devaneando…

Das coisas que você não precisa, até conhecê-las: anel-paleta para mistura de maquiagem

Não sei se vocês têm essa mesma sensação, mas existem certas coisas que a gente vivia muito bem sem elas, mas quando a gente conhece, pronto, lá vem a dependência. São aquelas situações em que nós passamos a “precisar” da coisa, mesmo tendo certeza absoluta de que ela não altera sua vida de maneira tão impactante.

Pois bem.

Vejam o que me aconteceu: mesmo sem ter muita estrutura física no momento pra me maquiar em casa, espelho bom, luz boa, essas coisas, sou meio atrevida e gosto de ter pincéis certinhos, um kit básico de maquiagem legal, e amava ao cubo usar um CD como paleta pra misturar base com hidratante mate, ou ainda base escura com clara, bb cream com base, e por aí vai, dica devidamente colhida da diva Paola Gavazzi (vídeo em que ela faz isso AQUI).

Só que vi a Michelle Phan usando esse anel para misturar maquiagem e pronto, fiquei desejando:

Pra usar, você coloca no dedo (tem uma pulseira também, muito boa pra maquiadores profissionais), pinga os produtos desejados e mistura. Dá pra fazer isso até com os chamados lip stains, “batons líquidos” , já que é possível, pingando na paleta, dosar a quantidade para colorir os lábios, de maneira sutil e bem aplicada. E mais: quem gosta de misturar cores de esmalte para fazer arte nas unhas, ele também é uma mão na roda, mesmo não sendo a função para a qual se destinou. Ele facilita, e muito, nossa vida, já que você não precisa segurar a paleta; ela tá lá presa, no dedo, pra gente ir colhendo o produto, e ficar aplicando. Massa mesmo.

Então, os anéis e pulseiras para mistura de maquiagem são de uma marca gringa chamada La Vaque, acho que não entregam no Brasil, mas podem esperar que já, já aparece similar no eBay para venda. Bem, isso é o que eu espero rsrsrs!

Aguardemos, e se eu descobrir onde mais posso encontrar o anel, venho fazer adendo no post!

Desejos Imediatos: porque já tô no clima da primavera/verão

Não sei sei já tinha dito a vocês, mas eu tenho pastas e mais pastas no Explorer cheias de imagens, um tudo sobre tudo: dicas de decoração, penteados, maquiagens, composições, peças em separado(uma pasta pra shorts, outra pra saias, outra para blusas, e assim vai…), tudo muito organizadinho, e muito pouco compartilhado com vocês. Pois agora resolvi mudar, e sempre que tiver um tempinho, buscarei soltar aqui no blog, vai que inspiro vocês, né? Às vezes a gente que usar uma peça, e não sabe como, ou até mesmo tá pensando num certo modelo, mas não consegue achá-lo em lugar algum, vai que adivinho!

Por hoje, separei algumas coisitas: peças em renda, camisas(ah, as camisas, acho que tão merecendo post próprio), saia mullet, blusinha peplum, e vestido cutout ácido até dizer basta! Acho que quem lê esse blog, ou me conhece outer blog, sente bem a minha queda por essas peças ultimamente, e quando eu gosto, sou intensa(e titia incentiva): faço umas três peças de cada, sem medo de ser feliz, até mesmo porque vocês podem me ver daqui a cinco, seis anos, e vou estar usando as mesmas peças, não interessa se são modinha ou não, sou meio desencanada dessas coisas.

Mas, chega de conversa e vamos ao quadrinho inspirador!

Imagens: reprodução

Sonho imediato, tipo pra ontem? Sim, a camisa laranja-petroleiro-embarcado, nossa como tô doida por uma! Torçamos e pensemos positivo, quem sabe titia faz a minha(#indiretas #caradepau).

Páginas123456